Obesidade em gatos aumenta casos de diabetes


Foto: Pixabay

Os casos de diabetes mellitus em felinos vêm aumentando a cada ano. Por isso, é importante ficar alerta aos sinais, como o aumento da ingestão de água, da frequência urinária e do apetite, e visitar o veterinário regularmente. Com o diagnóstico precoce e tratamento rápido, aumentam as chances de reverter a doença nesses animais. “O gato acima do peso pode parecer fofinho aos olhos do seu tutor. Mas, quando se conhecem as consequências disso, podemos dizer que o excesso de fofura não é tão glamouroso quanto parece”, adverte a veterinária Camila Canno Garcia, especialista em endocrinologia da Petz.

Um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento da doença é a obesidade, que atinge mais de 50% dos felinos, de acordo com estimativas. Sabe-se que o diabetes nos gatos é muito semelhante ao diabetes tipo 2 em humanos, tendo como seu maior causador o excesso de peso. Isso porque ocorre uma modificação da insulina (hormônio importante para a regulação da glicose no sangue), levando o organismo a uma resistência aos efeitos dela e à hiperglicemia persistente. “Além disso, outros problemas podem surgir com o excesso de peso, como doenças articulares, aumento do colesterol, dificuldade respiratória e outros”, afirma a Dra. Camila.

Caso o gatinho já tenha sido diagnosticado com diabetes mellitus, o tratamento é baseado em aplicações de insulina diárias, atividades físicas e troca da quantidade e tipo de alimentação sob recomendação do veterinário. “Devem ser realizadas visitas frequentes ao veterinário inicialmente para o ajuste de dose e perda de peso, até uma estabilização segura. Depois disso, visitas a cada 4 a 6 meses para monitoração”, orienta a veterinária. Caso a doença não seja tratada adequadamente, pode comprometer a qualidade de vida e levar a complicações, infecções e até à morte.

Confira 8 dicas para a prevenção:

1 – Mantenha sempre o peso adequado do gatinho.

2 – Reavalie o tipo e a quantidade de alimento com o veterinário.

3 – Evite o sedentarismo, estimulando brincadeiras e atividades físicas com brinquedos, arranhadores e prateleiras.

4 – Coloque potes de água e comida em lugares de difícil acesso pela casa para ajudá-lo a gastar mais energia.

5 – Utilize os petiscos com parcimônia e com a orientação do veterinário.

6 – Os check-ups semestrais são importantes para a prevenção e para o diagnóstico precoce.

7 – Exames de rotina, como de sangue e urina, devem ser realizados sempre que possível.

8 – Uma boa dose diária de carinho, escovar o gato e outras formas de afeto sempre ajudam na prevenção de doenças.

Fonte: Bonde


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

HOMENAGEM

ESCRAVIDÃO

DADOS ALARMANTES

MAUS-TRATOS

DESMONTE AMBIENTAL

ZOOFILIA

RÚSSIA

FINAL FELIZ

CRUELDADE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>