Cachorros explorados para consumo humano se alimentam de lixo em fazendas na Coréia do Sul


Um vídeo denunciou as péssimas condições em que cachorros são mantidos em uma fazenda de criação na Coreia do Sul para serem destinados à morte e consumo de sua carne.

A equipe de filmagem do programa australiano Dateline, da SBS, capturou as imagens na fazenda em Gimpo, a oeste de Seul. Nela, existem 390 cães que foram amontoados em gaiolas lotadas ao lado de cachorros mortos.

A fazenda se encontra superlotada, e cães são mantidos em celas com várias gaiolas amontoadas. Os animais foram vistos comendo lixo e carne podre infestada de moscas.

Alguns dos cães também pareciam ser animais roubados, já que estavam usando coleiras.

A SBS filmou as fazendas durante o auge do verão, quando a sopa picante de carne de cachorro é tradicionalmente servida durante a última semana do festival BokNal.

Jinu Jeong, ativista dos direitos animais, também compareceu à visita na fazenda e tentou negociar a compra dos cães com o fazendeiro.

Muitos ativistas estão realizando campanhas e expondo as realidades que esses animais vivem, emboscando matadouros e fazendo imagens de vídeo das péssimas condições.

Os animais são colocados em pequenas gaiolas superlotadas, perto de outros animais mortos (Foto: Daily Mail Online)

Essas ações recorrentes de exposição têm surtido efeito, já que o governo sul-coreano está impondo cada vez mais rigorosas regras de bem-estar animal.

Resultados positivos, porém lentos

O grupo de direitos animais Care acusou um criador de cães em Bucheon, a oeste de Seul, de “matar animais sem as devidas razões” e violar leis de construção e higiene.

Em resposta, ele foi condenado pelo tribunal de Bucheon City, que determinou que o consumo de carne não era uma razão legal para matar cães. O tribunal o multou por US $ 3 mil.

Esta decisão é um passo em direção a possíveis novas leis que proíbam completamente o comércio de carne de cachorro. Entretanto, ainda há muito mais a ser feito.

Mesmo com exposição e denúncia contínua de ativistas, indústria de carne de cachorros ainda não teve fim na Coréia do Sul (Foto: Daily Mail Online)

O consumo de carne de cachorro diminuiu na Coréia do Sul, tendo a prática sendo considerada agora cada vez mais como um tabu entre gerações mais jovens.

Autoridades estão colocando regulamentos de higiene ou leis de proteção animal que proíbam métodos cruéis de morte para reprimir fazendas de cães e restaurantes antes de eventos internacionais, como os Jogos Olímpicos de Inverno de Pyeongchang.

A medida não implementa a proibição total da prática, mas demonstra ser um passo cada vez mais próximo para esse objetivo.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

ABRAÇO ANIMAL

DENÚNCIA

JAPÃO

PRESERVAÇÃO

DESESPERO

CONSOLO

CALIFÓRNIA

ANGÚSTIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>