Horário de verão causa alterações orgânicas em animais domésticos


Foto: Pixabay

A partir da meia-noite deste domingo, 4, os relógios precisarão ser adiantados em uma hora. Muitas pessoas reclamam por causa da mudança, que pode deixar todo mundo mais sonolento e indisposto por algumas semanas. E não é diferente com os animais.

O nosso organismo demora um pouco para se adaptar. Isso porque uma hora da nossa rotina é ‘deslocada’ e o relógio biológico natural se ajusta de acordo com as atividades cotidianas, principalmente com a luz do dia. O mesmo acontece com nossos animais domésticos.

“Eles estão acostumados a ter uma rotina e a alteração do horário é algo ao qual eles precisam se adaptar. Como consequência, os animais podem se sentir mais sonolentos e com alteração nos horários de se alimentar”, explica a veterinária Karina Mussolino, gerente técnica de clínicas da Petz.

Uma dica importante para ajudar seu amigo de quatro patas nessa mudança é, aos poucos, alterar os horários de alimentação dele. O mesmo vale para o momento do passeio. Essas medidas poderão evitar comportamentos inadequados e latidos excessivos.

Não se assuste se o cão ficar mais lento. A preguiça, aquela que também atinge os humanos no horário de verão, o torna mais preguiçoso. Vale a pena, ainda, investir em hidratação, pois as temperaturas começam a aumentar nessa época do ano. Troque sempre a vasilha de água e deixe o cachorro em ambientes frescos. “As pessoas devem ficar atentas se o animal está se alimentando normalmente, se está ingerindo água, se a urina e as fezes estão normais. Os animais desidratam pelo calor excessivo, então a ingestão de água e a alimentação são muito importantes, orienta a veterinária Karina Mussolino. Fique atento ao uso de ar condicionado e ventiladores para não provocar problemas respiratórios no animal.

Há uma lista de cuidados básicos e que já podem ser colocados em prática agora, aproveitando o horário de verão, para a estação mais quente do ano que se aproxima:

– Foque na hidratação, sempre com água fresca e disponível para o cão;

– Evite passear e realizar atividades físicas em horários mais quentes, ou seja, das 10h às 16h;

– Fique atento à temperatura do asfalto antes de começar a caminhar com o cachorro, pois ele pode queimar a patinha;

– Fazer pausas durante o passeio sempre é bom. Uma dica é, em dias mais quentes, borrifar um pouco de água no pelo;

– Existe protetor solar específico para animais para ser usado no focinho, extremidades das orelhas e barriga. O produto evita câncer de pele;

– Atenção para picadas de insetos, pulgas e carrapatos, pois as altas temperaturas formam um ambiente ideal para a proliferação deles;

– Para quem vai ao litoral, é preciso fazer a prevenção contra dirofilariose. Um vermífugo, ministrado pelo veterinário, deve ajudar;

– A carteira de vacinação precisa estar em dia.

Fonte: Terra


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

DOÇURA

EXTINÇÃO

SONHO REALIZADO

CARIBE

POLÍTICA AMBIENTAL

SÃO PAULO

AÇÃO HUMANA

TRAGÉDIA

MASSACRE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>