O Conselho de Agricultura do Havaí aprovou uma proposta de lei para proibir a entrada de animais selvagens no estado para apresentações em circos, carnavais, e outras exposições.

A proposta tem o objetivo de impedir que tigres, leões, elefantes, ursos, primatas e crocodilos sejam utilizados para o entretenimento humano. A iniciativa foi uma resposta a uma petição legal apresentada pela Humane Society dos Estados Unidos (HSUS) em 2014.

Keith Dane, consultor de política do Havaí para a HSUS, declarou: “Os animais selvagens usados ​​para entretenimento são treinados com dor e medo de punição, enjaulados e acorrentados em caminhões e reboques. São forçados a suportar meses de viagem esgotante e são intimidados para executar truques bobos”.

“Eles representam um risco à saúde pública e segurança, bem como riscos para os recursos naturais do Havaí. Simplesmente não há necessidade de envolver animais selvagens em qualquer forma de entretenimento ao vivo”.

Tigres, leões, elefantes, ursos, primatas e crocodilos não serão mais utilizados para o entretenimento humano (Foto: Pixabay)

A HSUS ressalta que quatro estados e mais de 145 localidades dentro de 37 estados decretaram restrições quanto ao uso de animais silvestres em circos e espetáculos similares. Mas, se a proposta for colocada como lei, o Havaí seria o primeiro estado dos Estados Unidos a banir completamente a prática.

Na ilha, um pequeno surto de doença ou de parasitas poderia ter consequências drásticas. O Havaí é o único estado dos Estados Unidos livre de raiva, e eles têm um processo de quarentena rigoroso para os animais que entram nas ilhas.

A HSUS também observa que, em 2015, o governador do Havaí, David Ige, comprometeu-se a deixar de emitir licenças para transportar animais exóticos pelo Oceano Pacífico para serem usados ​​para exibições.