Redes sociais são usadas para o tráfico de chitas selvagens


Segundo relatório do Cheetah Conservation Fund, entre fevereiro de 2012 e julho de 2018 foram colocadas a venda 1.367 chitas em 906 publicações em redes sociais.

Só o Instagram foi responsável por cerca de 77% dos posts. O segundo ambiente de vendas mais usado foi o 4sale, um aplicativo para dispositivos móveis do Kuwait. O YouTube veio em seguida.

A maior parte dos posts, páginas e perfis tinha ligação com países do Golfo. Mais de 62% ligados a usuários da Arábia Saudita.

Da virada do século para cá, a população de chitas selvagens diminuiu mais de 90%. Hoje, restam apenas 7100 indivíduos na natureza.

O Cheetah Conservation Fund começou a monitorar ações do tráfico da espécie após resgatar dois filhotes que haviam sido amarrados em um restaurante na Etiópia. Isso gerou comoção e a organização obteve relatos de chitas sendo ilegalmente negociadas na África Oriental e no Leste do Oriente Médio.

O relatório completo pode ser lido na página da organização.

Chitas são comercializadas na internet | Foto: Pixabay

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

FINAL FELIZ

LEALDADE

COMPROMISSO

ESPECIAL

MAUS-TRATOS

FELICIDADE

TRATAMENTO MÉDICO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>