FÁTIMA CHUECCO

Manifestação pelo fim da exportação de animais vivos reúne ativistas no Monumento das Bandeiras

Este ano pelo menos três bois já saltaram de navios atracados em São Sebastião para escapar da morte

Reprodução

O movimento contra a exportação de animais vivos realizou na tarde de ontem, 15 de setembro, uma manifestação organizada, criativa e impactante no Monumento das Bandeiras.

Usando camisetas brancas e gorros imitando a cabeça de bovinos, os ativistas pediam o fim do embarque de bois pelos portos do Brasil por meio de cartazes, faixas e peças artesanais como um navio feito de papelão. Também fizeram um cordão humano em torno da Assembleia Legislativa de SP (Alesp) – há dois meses palco de batalha pela aprovação do PL 31 ou PL dos Bois, do deputado estadual Feliciano Filho (PRP).

Reprodução

Embora o PL 31 tenha recebido apoio da maior parte dos deputados, o presidente da Alesp, Cauê Macris, ainda não pautou o projeto para ser votado. No porto de São Sebastião, litoral norte de SP, milhares de bois estão embarcando em navios rumo a países como a Turquia.

Reprodução

A longa viagem, que pode durar até 20 dias, mergulha os animais num ambiente de dor física e psicológica. Falta espaço, comida, água, e até ar. O forte cheiro de amônia, decorrente do acúmulo de fezes, vômito e urina de milhares desses animais confinados num navio, provoca também sérios problemas nos olhos.

Reprodução

O cenário é coroado de doenças e pânico. Este ano pelo menos três bois já saltaram de navios atracados em São Sebastião para escapar da morte e um deles gerou comoção nacional e internacional ao atravessar um mar gelado por cerca de seis horas. Infelizmente todos foram reembarcados.

Reprodução

A luta pelo fim da exportação de animais vivos é internacional. Em Israel tramita projeto de lei para banir tal prática e na Austrália ativistas já conseguiram cancelar as operações de uma das maiores transportadoras de animais por via marítima.

Reprodução