Ursos explorados por zoológico suportam calor extremo no Ceará


A triste história de Rowena, anteriormente chamada Marsha, que foi explorada durante 20 anos por um circo e, depois, foi levada ao Parque Zoobotânico de Teresina, onde viveu mais uma etapa de sofrimento até ser resgatada, não é única. No Ceará, casos semelhantes são registrados.

Ursos Dimas e Kátia (Foto: Reprodução / Facebook)

Dimas e Kátia são dois ursos que vivem no Zoológico São Francisco, em Canindé (CE). No estado, temperaturas extremas são comuns e, assim como em Teresina, onde vivia Rowena, os ursos explorados para entretenimento humano no Ceará sofrem com o calor que atinge os 40º C.

Assim como Rowena, Dimas também viveu aprisionado em um circo que o explorou em nome do lucro. Quando ele não tinha mais serventia, foi covardemente abandonado. Em 2008, o urso foi encontrado às margens da BR-222, em Sobral, no Ceará, com garras e dentes extraídos e uma lesão em um dos olhos.

No entanto, o resgate do animal, que parecia ser a chance de uma vida digna para ele, o levou a mais exploração e sofrimento. Encaminhado ao zoológico, Dimas continuou a ser explorado para entretenimento humano, sendo tratado com uma mera atração. Recebeu o apelido de “urso dançarino”, já que o passado no circo gerou no animal um comportamento anormal: Dimas reproduz movimentos repetitivos que simulam uma dança.

Kátia também foi vítima da crueldade humana. A ursa viveu durante anos sendo forçada a andar de bicicleta e de skate e a se equilibrar em uma bola – práticas extremamente anti-naturais e, portanto, prejudiciais. Em 2011, ela foi levada para o zoológico onde vive Dimas e, no local, passa pelo mesmo sofrimento que o urso.

Uma página no Instagram criada para defender a retirada dos ursos do zoológico lembrou que casos como o de Dimas só acontecem “porque ainda existem pessoas que financiam esse tipo de entretenimento”. “Não visite lugares que exploram animais, faça sua parte”, pediu a página.

A história já chegou ao conhecimento da ativista Luísa Mell e do Santuário Ecológico Rancho dos Gnomos. Nas redes sociais, Luísa afirmou que irá iniciar, em parceria com o santuário, “a construção do recinto dele [de Dimas] ainda essa semana”. A ativista explicou que o objetivo é colocar Rawena e Dimas em recintos colados para, com o tempo, tentar fazê-los viverem juntos. “Teremos um novo caminho repleto de batalhas, mas não vamos desistir. Eles merecem viver bem e juntos! Aguardem novidades!”, concluiu.

Confira abaixo o vídeos de Dimas e Kátia:

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Sou o urso Dimas. Fui encontrado nas margens da BR-222 em Sobral (Ceará) em 2008. Fui abandonado por um circo. Fui encontrado sem dentes, com unhas extraídas e um olho perdido. Para eles, não servia mais. Me enviaram para o zoológico de Canindé onde vivo até hoje. Me apelidaram de urso dançarino, por me apresentar diariamente, um comportamento repetitivo. Fui adestrado para entreter a platéia, subindo e descendo escadas, simulando uma dança. E continuo fazendo isso até hoje. Infelizmente isso só acontece porque ainda existem pessoas que financiam esse tipo de entretenimento. Não visite lugares que exploram animais, faça sua parte. @luisamell @ranchodosgnomos @ursamarsha @alexiadechamps #URSODIMAS

Uma publicação compartilhada por Dimas e Katia (@ursodimasekatiaoficial) em


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

GRATIDÃO

INDEFESAS

VIDA NOVA

AÇÃO SOCIAL

AMOR

VIDA NOVA

RIO DE JANEIRO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>