SeaWorld terá de pagar mais de U$ 5 milhões por ocultar impacto financeiro causado pelo documentário “Blackfish”


O processo envolvendo fraude de títulos começou a ser movido contra o SeaWorld em 2014 (Acervo: Kimmela Center for Animal Advocacy)

O parque aquático SeaWorld vai ter que pagar mais de cinco milhões de dólares aos seus acionistas depois de ocultar o negativo impacto financeiro causado pelo documentário “Blackfish”, que denuncia o tratamento rigoroso e cruel dispensado às baleias.

A conduta do SeaWorld deu origem a uma ação de fraude de títulos, de acordo com a Securities and Exchange Comission (SEC) dos Estados Unidos. O processo começou a ser movido contra o parque em 2014, um ano após o lançamento de “Blackfish”, quando o parque passou a amargar queda no número de visitantes.

“Esse caso ressalta a necessidade de uma empresa fornecer aos investidores informações oportunas e precisas sobre o impacto negativo em seus negócios”, disse o codiretor da SEC, Steven Peikin, em comunicado oficial.

Mesmo com inúmeras denúncias de maus-tratos e o endosso de celebridades e organizações alertando a população sobre a realidade dos animais usados como entretenimento, a direção do parque aquático ainda nega que eles não vivam em boas condições. No ano passado, o SeaWorld registrou queda de 1,2 milhão de visitantes.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

NOVO LAR

COMPAIXÃO

GANÂNCIA

CAMINHO OPOSTO

ÁFRICA DO SUL

ESTADOS UNIDOS

CRUELDADE

ESTUDO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>