Animais domésticos desabrigados após incêndio na Califórnia são acolhidos em shopping center


Após milhares de pessoas serem evacuadas de suas casas devido ao Incêndio Carr, que atingiu o norte de Califórnia (EUA) e ocasionou pelo menos seis mortes, muitos animais foram abandonados ou deixados em abrigos como o Haven Humane Society.  Devido à grande de demanda de animais deixados em seu estabelecimento após a evacuação, o abrigo estendeu suas instalações para um shopping na cidade de Redding, e várias lojas vazias deram lugar a centenas de animais sendo atendidos e acalmados.

No auge da evacuação, o shopping Shasta Gateway abrigava mais de 600 cães, gatos, pássaros, coelhos, ratos, hamsters, porquinhos-da-índia e tartarugas. Atualmente, o local abriga 463 animais e 400 voluntários.

A pessoa por trás de todos os esforços para abrigar os animais, organizar os voluntários e supervisionar as doações é a diretora médica da organização, Cyanna Howden. Ela também foi evacuada, e saiu de casa com toda sua família, que inclui um gato e dois cachorrinhos. No entanto, ela tem trabalhado cerca de 15 horas por dia no abrigo improvisado desde o dia 30 de julho.

(Foto: Terray Sylvester/The Guardian)

Sob as instruções de Howden, o abrigo dividiu seus atendimentos em cinco lojas vazias. Uma loja abriga os mais diversos gatos em gaiolas, ao lado de ratos, coelhos e porquinhos-da-índia. Em outras salas ficam os cães, e há uma dependência especial para animais particularmente estressados ou agressivos. Também há um espaço médico onde os animais domésticos, principalmente gatos, que começaram a chegar com patas e orelhas queimadas, são tratados e recebem líquidos para desidratação.

Após a evacuação de milhares de pessoas devido ao Incêndio Carr, no norte de Califórnia (EUA), muitos animais foram abandonados ou deixados em abrigos.
(Foto: Terray Sylvester/The Guardian)

À medida que as ordens de evacuação aumentam, Howden espera que o fluxo de animais precisando de tratamento continue. Isso ocorre porque, na maioria das vezes, famílias angustiadas com pressa de sair da casa ameaçada pelo incêndio têm dificuldade para encontrar animais que se escondem devido ao medo.

A equipe tenta manter uma rotina normal para os animais. Voluntários no turno da noite apagam as luzes por volta das 20h. Gatos e animais menores recebem visitas regulares e os cães saem para caminhar a cada quatro horas na parte de trás do shopping que foi adaptada.

“Para as pessoas, você explica o que está acontecendo para que elas entendam. Com os animais, você só precisa alimentá-los e amá-los”, disse a voluntária Christine Mueller.

Assim que os incêndios forem controlados, muitas famílias retornarão às suas casas e buscarão seus companheiros. Aqueles que as famílias não retornarem, ficarão para a adoção, onde poderão encontrar uma família com muito amor.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

VIDAS PERDIDAS

DEDICAÇÃO

SOFRIMENTO EMOCIONAL

DOÇURA

AÇÃO HUMANA

JAPÃO

FINAL FELIZ

POLUIÇÃO SONORA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>