AÇÃO HUMANA

Espécie de cobra venenosa recém descoberta por biólogos já está ameaçada de extinção

Descoberta evidencia problema maior sobre quantas espécies já podemos ter perdido sem nem mesmo saber da existência

Uma recente descoberta na Austrália chamou a atenção de cientistas ao redor do mundo: uma espécie de cobra venenosa, subespécie de “bandy-bandy” – família de cobras que vivem enterradas e são endêmicas no país. Ativistas e organizações pelos direitos animais também foram impactados pela notícia, dado que os profissionais alertaram que ela já corre risco de extinção.

Reprodução | The Guardian

A nova espécie foi encontrada por acaso por biólogos da Universidade de Queensland, enquanto pesquisavam serpentes marinhas perto de Weipa, uma cidade mineira na costa oeste da península do Cabo York. Assim que encontraram e catalogaram o animal, eles rapidamente colocaram a cobra em proteção e eram a ela status de ameaçada de extinção.

“Bandy-bandy é uma cobra escavadora, então Freek Vonk, do Museu Naturalis, e eu ficamos surpresos ao encontrá-lo em um bloco de concreto junto ao mar”, explicou o professor Bryan Fry, que liderava a pesquisa, em entrevista ao jornal The Guardian.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

“Mais tarde, descobrimos que a cobra havia escorregado de uma pilha de pedregulhos de bauxita esperando para ser carregada em um navio”, ele continua. “Ao ser examinada pela minha aluna, Chantelle Derez, a bandy-bandy acabou se tornando uma nova espécie, visualmente e geneticamente distinta das encontradas na costa leste australiana e em partes do interior”.

Os biólogos já conheciam cinco subespécies de bandy-bandy – também conhecidas como cobra hoop, de veneno suave, que podem crescer até cerca de um metro de comprimento e se alimentam quase exclusivamente de cobras cegas. Análises posteriores de DNA confirmaram que a cobra encontrada era, de fato, uma nova espécie. Ela foi chamada cientificamente de “vermicela parscauda”.

Reprodução | Express

O professor Fry alertou que as novas espécies podem estar em perigo devido à atividade de mineração em seu habitat. “A mineração de bauxita é uma atividade econômica importante na região e pode estar remodelando o meio ambiente em detrimento de plantas e animais nativos”, explica.

Nesta semana, os biólogos pediram formalmente para que o Departamento de Meio Ambiente e Ciência do governo de Queensland declarasse a cobra como uma espécie ameaçada. Caso o status seja concedido, as empresas de mineração serão obrigadas a considerar o bem-estar das espécies e parar com a destruição de seu habitat.

“A importância de tais descobertas vai além de simplesmente documentar o que está lá fora, já que os venenos são fontes ricas de compostos que podem ser usados para desenvolver novos medicamentos”, conta Fry. “Todas as espécies são preciosas e precisamos protegê-las, já que não podemos prever de onde virá a próxima droga milagrosa”.

Casos como esse apenas jogam luz sobre um problema real e pouco debatido: o quanto conhecemos sobre o mundo em que vivemos? Se uma espécie já está em situação de ameaça de extinção e só agora foi descoberta, é possível que tenham existido e continuem a existir muitas outras que serão perdidas antes mesmo de termos a chance de descobri-las.