O presidente da Coréia do Sul, Moon Jae-in, escolheu Tori, o cãozinho que adotou, como a estrela da nova campanha contra o comércio de carne de cachorro no país. A escolha tem um motivo especial: antes de ser resgatado, o cachorro vivia em uma fazenda de criação e seria morto para o comércio de sua carne.

O presidente da Coréia do Sul, Moon Jae-in, escolheu o cãozinho que adotou como a estrela da nova campanha contra o comércio de carne de cachorro no país.
Tori foi resgatado pela CARE de uma fazenda de criação, onde seria morto para que sua carne fosse comercializada. (Foto: CARE)

A campanha foi liderada pela Coexistência de Direitos Animais na Terra (CARE), uma organização que resgata, reabilita e encontra novos lares para animais animais abandonados, que possui escritórios nos Estados Unidos e na Coreia do Sul. Um pôster com imagens de Tori antes e depois da adoção, está sendo usada na ação.

Como parte da campanha, inúmeros cães de pelúcia, com os escritos “Eu não sou comida”, foram colocados em um grande coração em um espaço público na capital do país, Seul, na Coréia do Sul. Barracas também foram montadas em torno da exibição pública para educar os espectadores sobre a crueldade envolvida no comércio de carne de cachorro. Os brinquedos podem ser comprados por £ 20 (R$ 90) e o dinheiro arrecadado será destinado para o resgate de cães abusados ​​ou abandonados.

Durante sua campanha eleitoral, o presidente Jae-in prometeu construir mais parques para animais domésticos e criar instalações para gatos abandonados alimentarem-se. Ele também afirmou que o comércio de carne de cachorro deve ser eliminado.

Festivais

A campanha foi lançada próximo ao Festival Bok Nal, realizado durante os três dias mais quentes do verão coreano. Durante os dias de comemoração, a ingestão de carne de cachorro aumenta drasticamente devido ao consumo de “boshintang”, uma sopa feita com o animal para enfrentar o clima quente.

O Festival de Yulin, realizado durante o mês de junho na China, também promove o massacre de cães para o consumo de sua carne. Diversos animais são sequestrados de suas famílias e sofrem com as crueldades dos matadouros.

Campanhas internacionais buscam cada vez mais elucidar a sociedade sobre os tratamentos por trás do consumo dessa carne, e finalmente os resultados estão aparecendo.

De acordo com o jornal britânico Sky News, graças a campanhas, como a estrelada por Tori, a popularidade da carne de cachorro está diminuindo. A publicação também informou que a carne de cachorro é agora consumida principalmente por pessoas mais velhas.

Para que os cães não sejam mais torturados e assassinados, essa prática deve ser completamente banida de todos os países que ainda a tratam como evento cultural.