Abelhas correm risco e extinção desses insetos pode por fim à humanidade


O número de abelhas em todo o mundo tem diminuído de forma considerável. O risco imposto à vida das abelhas, seja por ação humana ou não, fez, inclusive, com que algumas espécies do insetos começassem a sofrer a ameaça da extinção, o que é um problema não só para esses animais, mas também para os seres humanos. Isso porque, se todas as espécies de abelhas forem extintas, a humanidade entrará em colapso, correndo um sério risco de chegar ao fim.

(Foto: Reprodução / Hypeness)

Entre os responsáveis pela diminuição do número de abelhas, estão o aumento exponencial do uso de agrotóxicos, as mudanças climáticas e uma espécie de parasita que mata abelhas jovens e adultas, além da exploração de abelhas para produção de mel e outros produtos, que faz com que muitas delas sejam mortas devido à fumaça quente usada por apicultores que mata os insetos por asfixia e calor e também no momento da manipulação dos favos, quando diversas abelhas são esmagadas. A morte desses insetos pela apicultura é, inclusive, um dos motivos que levam os veganos a não consumir o produto.

Caso esses fatores que podem levar à extinção das abelhas não forem combatidos, a humanidade será gravemente afetada, já que as abelhas polinizam mais de 70 das 100 plantas que servem de alimento para os humanos, ajudando-as a se reproduzirem. Com isso, são responsáveis por impactar 90% da produção de alimentos do planeta.

As abelhas não são os únicos animais que espalham pólen. Pássaros, morcegos e borboletas também o fazem. Mas, no caso deles, a ação é feita por acaso apenas quando o material gruda neles quando eles sugam o néctar das plantas. As abelhas, por sua vez, precisam do pólen para alimentar as larvas delas e, por isso, estão sempre em busca do material, espalhando-o em maior quantidade do que os outros animais. As informações são do portal Hypeness.

Por essa razão, se as abelhas forem extintas, alimentos como maçã, cenoura, berinjela, alho, cebola, manga e melão provavelmente chegariam perto de desaparecer completamente, afetando não só humanos, mas também animais que dependem de vegetais para se alimentar e podendo gerar, por falta de comida, a morte de animais herbívoros, o que afetaria também os carnívoros, devido ao comprometimento da cadeia alimentar.

Com menos oferta de alimentos, fatalmente os preços dos produtos aumentariam, o que dificultaria o acesso a eles e geraria uma crise econômica no setor da produção de alimentos de difícil solução.

Além dos alimentos, o setor de vestuário também seria prejudicado pela extinção das abelhas. Isso porque a produção de algodão depende delas. Sem a ação desses isentos, o preço das roupas também subiria. E com a dificuldade de acesso a vestimentas, devido ao alto custo, o que sobraria de opção seriam os tecidos sintéticos, que, no entanto, não são indicados para quem vive em regiões tropicais, já que as peças são mais quentes.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

NOVOS LARES

RIO CLARO (SP)

EXTINÇÃO

VISIBILIDADE

CANADÁ

ABRAÇO ANIMAL

DENÚNCIA

JAPÃO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>