1998: criança tenta secar gata no micro-ondas e animal morre


Uma gata morreu após ser colocada por uma criança dentro de um micro-ondas. Entretanto, o triste episódio, ocorrido em 1998, não teve má intenção. José Bernardo Ferreira, na época com seis anos, não pretendia fazer mal ao animal. Num ato de inocência, ele acreditou que poderia secar a gata, a qual ele havia dado banho, colocando-a no micro-ondas. O caso aconteceu no bairro de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, e foi registrado em uma reportagem de Cristina Rigitano, publicada no Notícias Populares em 28 de julho de 1998 e divulgada esta semana pela Folha de S. Paulo.

A gata Bolinha (Foto: Reprodução)

Era domingo de manhã. Bolinha, a gata, estava suja, e Bernardo decidiu, então, dar um banho no animal. O menino estava sozinho em casa, já que a mãe havia ido à igreja e deixado o filho dormindo. Após lavar a gata, Bernardo colocou-a no micro-ondas, na intenção de secá-la para evitar que ela adoecesse.

“Meu sobrinho, coitadinho, estava bem-intencionado. Só queria secar a gatinha”, contou a tia de Bernardo, a comerciante Joana Barbosa Gomes.

O garoto deu banho na gata no quintal de casa e, em seguida, a colocou sentada no prato giratório do eletrodoméstico. Em um minuto, a cabeça do animal explodiu. De acordo com Joana, a criança ficou bastante assustada com a tragédia.

Título da reportagem do “Notícias Populares” sobre a morte da gata, em 28 de julho de 1998 (Foto: Folhapress)

Ao voltar da igreja, a mãe do menino o encontrou desesperado, chorando e gritando muito. “A desgraça já estava feita”, contou a tia, que lembrou ainda que o garoto pedia pela gata. “Quero minha Bolinha de volta”, ele dizia. Bernardo havia ganhado a gata três meses antes do ocorrido. “Foi uma coisa muito triste”, disse Joana.

Maria, mãe da criança, afirmou que ensinou Bernardo a mexer no micro-ondas por considerar o aparelho mais seguro que o forno comum, por não ter fogo. Mas ela não imaginava que um acidente tão grave pudesse acontecer.

Aumento da pressão do crânio

Ao publicar a reportagem, em 1998, o Notícias Populares explicou que o aumento da pressão interior do crânio da gata, causado pelas ondas eletromagnéticas emitidas pelo eletrodoméstico, pode ter sido responsável por provocar a explosão da cabeça do animal. Provavelmente, o crânio de Bolinha não suportou a pressão interna e, por isso, explodiu.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

TURQUIA

AMOR

ASFIXIA

ATO DE AMOR

GENEROSIDADE

MOÇAMBIQUE

ÍNDIA

MINAS GERAIS

ESTUDO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>