Governo da Nova Zelândia decide abrir santuário de golfinhos Maui para mineração


O golfinho de Maui é a subespécie mais rara do mundo. Hoje, apenas 55 adultos povoam o planeta. E todos eles estão localizados em um santuário na Nova Zelândia, criado pelo governo como um esforço para protegê-lo da extinção. Ele ocupa toda a área ao longo da costa oeste da Ilha do Norte.

Graças às restrições impostas pelos oficiais na região, parecia que o golfinho de Maui realmente tinha uma chance de sobrevivência. Até que recentemente o governo tomou a decisão de abrir o santuário para a exploração de minério.

Reprodução

Desde que foi insituído, o santuário desempenhou um papel crucial na proteção do Maui. As regras restringem o uso de redes fixas, redes de deriva e redes de arrasto, proibem a mineração do leito marinho nas proximidades e exigem permissão do Departamento de Conservação da Nova Zelândia para que pesquisas sísmicas sejam conduzidas na região.

O DoC da Nova Zelândia enfatizou muitas vezes o fato de que só podemos perder um golfinho a cada 10 a 23 anos sem afetar a capacidade de recuperação da população. Mas com a mineração em alto mar programada para ocorrer na área do santuário, não só os golfinhos de Maui, mas outras espécies ameaçadas de golfinhos, baleias e focas, provavelmente serão afetados de maneiras que comprometerão ainda mais sua existência.

Em um briefing para o ministro da Conservação Eugenie Sage, especialistas do DoC expressaram “preocupações significativas sobre o risco que a mineração comercial representaria para os golfinhos de Maui nesta área”. Por exemplo, levantamentos sísmicos conduzidos para determinar a localização de petróleo e gás poderiam ter impacto devastador nas populações marinhas, interferindo na capacidade de usar o eco para localizar comida, comunicar-se, alimentar os filhotes e até mesmo nadar.

Agora é só uma questão de tempo até que uma operação de mineração comece. Basta o governo dar o sinal verde e as máquinas estarão lá. Caso isso aconteça, trará consigo uma alta possibilidade de vazamentos de petróleo, que podem acabar com as espécies para sempre.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

TAILÂNDIA

ESTUPIDEZ HUMANA

POLUIÇÃO

AUSTRÁLIA

ÓRFÃO

MALDADE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>