Maus-tratos e abandono de animais são rotina para polícia de Toledo (PR)


Casos de maus-tratos e abandono praticados contra animais são rotina para a Polícia Civil do município de Toledo, no Paraná.

Um dos casos recentes registrados na cidade foi de um cachorro, ainda filhote, abandonado em uma chácara com sinais de maus-tratos. O animal, entretanto, teve a sorte que muitos outros não tem e, após receber atendimento veterinário, foi adotado.

De acordo com a polícia, entre 30 e 40 atendimentos foram realizados nos seis primeiros meses de 2018.

(Foto: Divulgação / Imagem Ilustrativa)

“A resolutividade é maior e, por isso, parece que os casos de maus-tratos aumentaram no município. Além disso, as pessoas têm buscado pelo auxílio policial”, diz a investigadora Rosangela Zanetti, que lamenta a crueldade cometida contra os animais.

A investigadora lembra que a lei 9.605/98 resguarda os direitos dos animais e conta um caso de maus-tratos no qual esteve envolvida no resgate do animal que estava muito debilitado. “Ele não tinha doença, estava com fome. A sua tutora foi intimada a comparecer na delegacia e foram tomados os procedimentos cabíveis”, explica.

A coordenadora de Defesa e Proteção Animal da Secretaria de Meio Ambiente, Maria Lúcia Gollmann, afirma que acredita que as pessoas ainda abandonam animais nas ruas da cidade por saberem que, em algum momento, o Poder Público tomará providências. Para ela, as pessoas deveriam estar mais conscientes. “Nós já recolhemos vários animais, ofertamos atendimentos e buscamos encaminhar para uma adoção responsável”, diz. As informações são do portal Jornal do Oeste.

O número de filhotes abandonados na cidade é gritante, segundo Maria Lúcia. “Encontramos animais com dois ou três dias de vida. Outros casos, a pessoa muda de residência e deixa o animal abandonado”, afirma a coordenadora, que explica ainda que os policiais auxiliam no trabalho de combate ao abandono. Os tutores acabam sendo multados ou obrigados a realizar serviços comunitários como punição, a depender do crime cometido. “O suspeito também perde o direito de cuidar do animal”, explica.

Ações do Poder Público

Projetos tem sido idealizados pela Prefeitura de Toledo. Dentre eles, o castramóvel. Recursos do governo federal para compra de um automóvel equipado para efetuar as castrações devem ser encaminhados à administração municipal. Os valores devem chegar a R$ 127 mil. O restante do recurso necessário será de responsabilidade da Prefeitura.

Em torno de 60 dias o projeto, que está em fase de elaboração, deve ser concluído, segundo Maria Lúcia. “Ainda deveremos licitar os materiais e firmamos convênios com universidades e outros órgãos”, explica a coordenadora. De acordo com ela, cerca de dois mil animais devem ser castrados e 150 deles já foram submetidos à castração no primeiro semestre de 2018. “Para receber esse tipo de atendimento, o animal deve pertencer a uma família carente ou estar com uma protetora”, afirma.

Um cadastro de protetoras de animais de Toledo também faz parte dos projetos realizados pelo município. “O nosso objetivo é ter o cadastro de todas, porque elas precisam ter uma estrutura para desenvolver esse trabalho. Ele [o cadastro] está quase pronto”, comenta Maria Lúcia. “A expectativa que os projetos saiam do papel ainda neste ano”, conclui.

A Prefeitura, através da Secretaria de Meio Ambiente e demais órgãos, está elaborando também o Protocolo de Fauna. Um aplicativo para realização de denúncias, segundo Maria lúcia, será formatado e poderá ser abaixado no celular. O cidadão poderá utilizar fotos ou vídeos na denúncia e encaminhar os dados para órgãos competentes. “Estamos dialogando sobre a responsabilidade de cada entidade”, explica a coordenadora.

“O protocolo está quase pronto. Agora deveremos definir a competência de cada órgão, ou seja, cada entidade vai assumir a sua função com relação as denúncias de maus-tratos ou abandonos dos animais”, diz.

Fazem parte da criação do protocolo representantes da Secretaria de Meio Ambiente de Toledo, do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), da Pontifícia Universidade Católica (PUC), Associação Focinhos Carentes de Toledo (Afocato), Guarda Municipal, Corpo de Bombeiros, polícias e demais autoridades.

Em busca de novos lares

Uma feira de adoção de animais é realizada, todos os domingos, na Usina do Conhecimento, das 14h30 até as 17h30. O evento é composto por animais que estão em lar temporário sob a responsabilidade de protetoras cadastradas na Secretaria de Meio Ambiente.

“Pode adotar um animal aquela pessoa responsável que irá cuidá-lo e oferecer toda a condição para ele. Geralmente, o animal é monitorado por um determinado tempo”, finaliza Maria Lúcia.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

ABRAÇO ANIMAL

DENÚNCIA

JAPÃO

PRESERVAÇÃO

DESESPERO

CONSOLO

CALIFÓRNIA

ANGÚSTIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>