Kate Nash, atriz da série Glow, da Netflix, explica como o veganismo a ajuda a interpretar personagem


A cantora Kate Nash, que também é estrela da popular série “GLOW” da Netflix sobre lutadoras na década de 1980 (“GLOW” é uma abreviatura para “Gorgeous Ladies of Wrestling”), recentemente declarou que manter uma dieta vegana é o seu segredo para se preparar para seu papel.

Reprodução | LiveKindly

No ano passado, a cantora e compositora fez uma turnê de verão para comemorar o 10º aniversário do seu álbum de estreia, o “Made Of Bricks”. Na época ela revelou que tinha sido chamada de “gorda demais” para ser uma estrela pop. “Quando você é uma mulher, você tem um relacionamento tão estranho com seu corpo porque – especialmente quando você atrai a atenção do público – você é constantemente julgada”, disse Nash em entrevista ao jornal Independent.

“As pessoas comentavam do meu corpo o tempo todo de uma maneira realmente inadequada, de uma maneira que eu acho completamente ofensiva. Eu via jornais sérios me chamando de ‘muito gorda’ ou ‘muito feia’ para estar em um cartaz. É tão estranho, mas as pessoas sentem que podem dizer isso para você”, ela desabafa.

“Eu venho de uma grande família irlandesa que me alimentou enquanto criança, então não comer nunca foi uma opção”, ela conta. “Eu achava que, estando na minha posição, ficaria paranoica com o meu corpo, mas também estou ciente de que as garotas estão me procurando para fazê-las se sentir seguras, então tento promover uma abordagem saudável à comida”.

Nash lamenta ao dizer que um dos motivos de ter entrado em uma dieta vegana de vez foi por conta do seu peso, sobre o qual nunca falou abertamente. A atriz já era vegetariana há oito anos quando decidiu cortar, além da carne, qualquer produto derivado de animal.

A princípio, a mudança de dieta foi em um esforço para “salvar sua coelha”, que precisava de uma operação. “Eu fiz um acordo com o universo. Ela fez a cirurgia e estava tudo bem”, disse Nash sobre a luta contra seu próprio transtorno obsessivo-compulsivo no processo.

“Isso abriu minha mente para muitas coisas, entendendo meu cérebro e percebendo o quão poderoso isso era, que eu realmente mudei minha dieta de uma maneira tão intensa. Eu sou realmente vegana agora, e sou uma defensora disso. Tornar-me vegetariana me fez consciente do poder da decisão e pude explorar a minha relação com a minha saúde mental”, ela finaliza.

Nota da redação: É importante lembrar que o veganismo não se resume apenas à alimentação, e as motivações de alguém que adota este estilo de vida vão para bem além de uma preocupação com peso ou com a saúde. O veganismo é uma dieta mas, principalmente, um posicionamento político. Tornar-se vegano é não aceitar qualquer tipo de exploração de animais para satisfazer o ser humano.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

COMPANHIA

AGROPECUÁRIA

POVOS ORIGINÁRIOS

FINAL FELIZ

DOR E SOFRIMENTO

DESUMANIDADE

AGRESSÃO BRUTAL

INDÚSTRIA CRUEL


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>