Ensaios fotográficos com filhotes viram tendência


Registros profissionais dos primeiros dias e meses de vida deixou de ser coisa voltada apenas a bebês, e passou a movimentar o mercado voltado para animais domésticos. Essa tendência fez com que as fotógrafas Pamela Cotia, de 37 anos, e Nathalia Silva, de 30, moradoras do litoral de São Paulo e amigas há mais de uma década, decidissem investir no novo estilo de ensaio, batizado de ‘newborn pet’, que ganha cada vez mais popularidade.

Foto: Divulgação

As duas já trabalhavam com ensaios e cobertura de eventos. Ao perceberem o crescimento da demanda por ensaios com animais, optaram por focar mais nesse novo estilo de fotografia. O negócio começou efetivamente em 2017, no Dia das Mães, quando ambas resolveram investir na divulgação dos ensaios, e receberam um retorno que consideraram animador.

O investimento em acessórios, roupas e toda a produção para o novo cenário já dão retorno para as fotógrafas, que têm estúdio em Guarujá. “Normalmente, antes dos ensaios, a gente fala com os guardiões dos cachorrinhos para ver o tamanho deles. Também levamos meias para encaixar na cabeça dos filhotes”, explica Pamela.

Para garantir a saúde dos animais, a dupla estudou bastante, já que a primeira sessão do ensaio ‘newborn’ acontece quando o filhote tem apenas 30 dias. Nesse período, ele ainda não tomou todas as vacinas, e tende a ser mais frágil.

Além de usar o máximo possível de produtos descartáveis, todas as roupas e mantas são esterilizadas e guardadas após cada ensaio. Pamela e Nathalia, nesse período, sempre vão até o local o animal está, para que ele tenha exposição mínima a situações de vulnerabilidade.

As profissionais, que também fazem ensaios ‘newborn’ de bebês, explicam que a única diferença entre fotografar crianças recém-nascidas e filhotes está no cuidado com a temperatura. “Para os bebês, o lugar que usamos deve estar aquecido entre 27°C e 28°C. Os cachorrinhos não precisam disso. Só no inverno, se estiver frio, procuramos deixar o lugar mais quente”, diz Pamela.

Segundo as fotógrafas, porém, é muito mais fácil realizar ensaios com animais, porque elas conseguem utilizar diversas estratégias e aproveitar as posições dos filhotes. Os bebês são mais difíceis de fotografar, porque se movimentam muito e choram com facilidade.

Cada sessão leva um tempo diferente para ser finalizada, porque, segundo a dupla, é necessário respeitar o momento do animal, e são feitos intervalos para que eles possam se alimentar e ficar à vontade. As duas se revezam ao longo do ensaio, levando o tempo necessário para registrar cada momento.

Por conta de todo o cuidado e tempo envolvidos nesse tipo de trabalho, o preço dos ensaios pode variar de R$ 150 a R$ 400. A sessão tende a ser mais cara quando o animal é maior, porque exige mais cautela e prudência. Quando é recém-nascido, as fotógrafas precisam fazer com que os cachorrinhos durmam. Isso requer um pouco mais de tempo, e é preciso fazer pausas para que eles sejam amamentados.

Apesar do crescimento do mercado voltado para animais domésticos no Brasil, Pamela acredita que o público ainda não está muito habituado a realizar ensaios fotográficos com seus companheiros de quatro patas. “Ainda fazemos mais fotos de pessoas do que de animais. A procura vem aumentando, mas ainda não fazemos o quanto gostaríamos”, conclui.

Fonte: G1


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

PROGRESSO

GANÂNCIA

DESTRUIÇÃO AMBIENTAL

COREIA DO SUL

VEGANISMO

PRESSÃO PÚBLICA

RESILIÊNCIA

RECOMEÇO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>