ANIMAIS SELVAGENS

Maior operação contra o tráfico de animais já realizada divulga números surpreendentes

A operação resultou em 1.974 apreensões, cerca de 1.400 suspeitos foram identificados e envolveu 92 países.

Foto: Divulgação
Indústria do tráfico de animais mata espécies em extinção em busca de partes valiosas de seus corpos | Foto: Interpol

Os números divulgados pela Interpol como resultado da Operação Thunderstorm não só assustam pela quantidade como pela forma com que o tráfico de animais selvagens e os derivados (marfim, peles, carcaças) são saqueados facilmente na natureza.

A operação realizada em nível internacional e em grande escala foi estrategicamente planejada para atuar contra o tráfico de animais selvagens e resultou em milhões de dólares em apreensões, incluindo partes de espécies ameaçadas, como ursos polares e tigres.

Foi anunciado hoje pela Interpol que a operação resultou em 1.974 apreensões e que cerca de 1.400 suspeitos foram identificados, desencadeando prisões e investigações por todo o mundo.

Batizada de Thunderstorm (tempestade de trovões, em tradução livre), a operação ocorreu em maio e envolveu agências de polícia, alfândega, fronteira, meio ambiente, vida selvagem e florestal de 92 países em todo o mundo.

As apreensões incluem:

• 43 toneladas de carne silvestre, incluindo amostras de urso, elefante, crocodilo, baleia e zebra;

• 1,3 toneladas de marfim de elefante cru e processado;

• 27.000 répteis, incluindo 869 jacarés / crocodilos, 9.590 tartarugas e 10.000 cobras;

• Quase 4.000 aves, incluindo pelicanos, avestruzes, papagaios e corujas;

• Várias toneladas de madeira e madeira;

• 48 primatas vivos;

• 14 grandes felinos, incluindo tigre, leão, leopardo e onça-pintada;

• As carcaças de sete ursos, incluindo dois ursos polares

• 8 toneladas de escamas do Pangolin, o animal mais traficado do mundo.

“A Operação Thunderstorm alcançou apreensões significativas em nível global, mostrando como as operações globais coordenadas podem maximizar o impacto”, disse o secretário-geral da Interpol, Jürgen Stock, em um comunicado. “Ao revelar que grupos de tráfico de animais selvagens usam as mesmas rotas que criminosos envolvidos em outras áreas, como evasão fiscal, corrupção, lavagem de dinheiro e crimes violentos, a Operação Thunderstorm envia uma mensagem clara aos criminosos da vida selvagem: a força das leis do mundo está se aproximando cada vez mais deles”.

Carcaças de animais mortos estavam entre os itens encontrados pelos agentes | Foto: Interpol | Foto: Interpol
Carcaças de animais mortos estavam entre os itens encontrados pelos agentes | Foto: Interpol

A Operação Thunderstorm, é a segunda de uma série global chamada de “Thunder”, iniciada e coordenada pela Interpol e pela World Customs Organization (Organização Mundial de Aduanas – WCO, na sigla em inglês) em conjunto com o International Consortium on Combating Wildlife Crime (Consórcio Internacional de Combate ao Crime contra a Vida Selvagem – ICCWC, sigla em inglês). Quarenta e três toneladas de carne de urso, elefante e baleia, assim como 1,3 toneladas de marfim de elefante cru e processado, também foram apreendidas durante a operação de inteligência.

“Nenhum país, região ou agência pode combater o comércio ilegal da vida selvagem sozinho. Uma ação coletiva e coordenada entre os estados de origem, trânsito e destino é essencial ”, afirmou Ben Janse van Rensburg, Chefe do Departamento de Execução da Secretaria da CITES. “Em nome de todas as agências parceiras da ICCWC, recomendo o excelente trabalho realizado nos países membros, a Operação Tempestade é um testemunho do que pode ser alcançado se todos trabalharmos juntos.”

Mais prisões e processos judiciais vão acontecer à medida que as investigações da operação continuam a se desenrolar.