SAÚDE

Cães doadores de sangue salvam a vida de outros animais em Brasília

O Hospital Veterinário da Universidade de Brasília conta com 45 cachorros cadastrados como doadores.

746

13/06/2018 às 08:30
Por Redação

Cachorros que são doadores de sangue estão salvando a vida de outros animais na Universidade de Brasília (UnB). A realidade dos bancos de sangue para animais em todo o Brasil, entretanto, não é positiva. Isso porque o número de doadores é bem inferior a quantidade de animais que precisam de sangue e, por isso, muitos deles morrem à espera de uma transfusão sanguínea.

Chico Bento (Foto: Arquivo Pessoal)

O próprio Hospital Veterinário da Universidade de Brasília, no qual 45 cachorros estão cadastrados como doadores, não tem estoque de sangue.

“Fico muito feliz quando o tutor se disponibiliza a trazer o seu animal para doar sangue e salvar vidas”, afirma o médico veterinário Jair Duarte.

Chico Bento é um dos doadores. O golden retriever de 4 anos e 9 meses mora em Brasília e além de doar sangue, tem um perfil em rede social, com 26,7 mil seguidores, por meio do qual a tutora dele divulga a doação de sangue canino.

O cão se tornou doador há um ano e já fez três doações. A tutora de Bento, Dayane Siqueira, conta que sempre achou o assunto interessante, mas que não sabia como deveria ser realizada a doação. Entretanto, após descobrir que um cachorro corria risco de vida e precisava de uma transfusão com urgência, ela levou o golden retriever ao Hospital Veterinário da UnB para realizar a primeira doação.

A cane corso italiano Flor, de 1 ano de idade, agora também é doadora. Ele doou sangue pela primeira vez neste mês de junho e, inclusive, dormiu durante a coleta, enquanto o cão que iria receber a transfusão aguardava. As informações são do portal G1.

Flor (Foto: Brena Silva/G1)

Flor foi levada a uma consulta com o veterinário Jair Duarte, que informou à tutora dela, Cristiane da Silva, que o banco de sangue canino estava sem estoque. A cadela, então, foi submetida a exames clínicos e, depois, foi aprovada para ser doadora.

“A experiência foi incrível, a Flor reagiu super bem. Para ela não vai fazer diferença nenhuma, mas vai salvar a vida de outro cachorro”, diz Cristiane. “Hoje ela salva uma vida, amanhã ela pode ser salva”, completa.

Como doar

A doação é voluntária e, conforme explica o veterinário e professor da UnB Jair Duarte, o sangue não pode ser comercializado.

Um check-up gratuito é realizado no animal antes da doação. Todo o processo dura cerca de duas horas, mas a coleta tem duração de apenas 20 minutos. A doação pode ser feita a cada dois meses e o procedimento é agendado.

“O procedimento não causa dor nem desconforto para os animais”, explica Duarte. “O ideal seria que, por semana, fossem feitas três coletas. Mas tem semana que não tem nenhuma”, lamenta.

Para ser doador é preciso que o animal pese mais de 25 kg, tenha entre 1 e 8 anos, nunca tenha feito transfusão, seja vacinado e dócil. Além disso, fêmeas doadoras não podem estar grávidas.

O Hospital Veterinária da UnB está localizado na avenida L4, no Lago Norte, em Brasília, no Distrito Federal.  O telefone para contato é o (61) 98159-7755 e o agendamento para doação de sangue deve ser feito através do e-mail [email protected]