Animais mantidos em canteiro são retirados do local em Vitória (ES)


O jardim aberto, que funcionava na esquina da Rua Dionísio Rosendo desde 2011, no entorno da Praça Costa Pereira, em Vitória (ES), foi extinto. Desde que foi inaugurado, de acordo com o principal responsável pela manutenção do local, o espaço manteve ao menos 40 tipos de plantas e inúmeros animais, entre coelhos, galinhas, preás, peixes, codornas e outros. Contudo, devido a uma notificação da Prefeitura de Vitória para que os animais fossem retirados, Eugênio Martini, 62 anos, resolveu encerrar totalmente as atividades e retirar também as espécies de plantas do jardim que ele cuidava.

O comerciante diz que um grupo, do qual desconhece o vínculo, retirou os animais do local no último final de semana.

(Foto: Reprodução / TV Gazeta)

“A única informação que temos é que algumas pessoas vieram e recolheram os animais. Não sei quem são e nem para qual lugar eles foram levados. Não nos deram satisfação alguma. Eu não estava na hora em que vieram recolher, mas, o que me disseram, foi que essas pessoas falaram que estavam ali autorizadas pela prefeitura”, disse.

A Prefeitura de Vitória, no entanto, nega que tenha enviado alguém para retirar os animais, uma vez que não é papel da instituição fazer o deslocamento de animais. A administração municipal reforçou que só fez a notificação após ter recebido denúncias de maus-tratos aos animais no local e seguiu o que determina a lei federal de Crimes Ambientais 9605/98, regulamentada pelo decreto 6514/2008.

A advogada e defensora de animais Carolina Dias afirmou que se incomodava em ver “os animais em uma situação tão ruim, tão deprimente”. De acordo com ela, eles eram mantidos “engaiolados e sempre amontoados”, além de não terem alimentação adequada disponível. “Essa não é a melhor maneira de promover uma educação ambiental se tratando de animais silvestres”, denunciou a advogada, que passa com frequência pelo local no caminho para o Fórum. “Coelhos e porquinhos-da-índia não são animais de estimação, são animais exóticos e devem ter um acompanhamento adequado de um veterinário especializado em animais exóticos”, completou.

O comerciante resolveu também retirar as plantas que cultivava no espaço e as levou para um galpão de propriedade dele.

“Minha intenção era continuar com as plantas, porém, minha esposa implorou para eu retirá-las para evitar algum outro tipo de problema. Encerrei todas as atividades no canteiro para não receber novas notificações. Trouxe todas as plantas para minha casa e vou cuidar delas aqui, onde tenho um galpão que cabem todas elas. Algumas pessoas até me pediram algumas, mas tenho ciúmes delas”, afirmou.

Procurada pela reportagem do Gazeta Online, a Prefeitura de Vitória informou que “as plantas que estavam no local haviam sido compradas/adquiridas pelo morador em questão, então, por ele não ter retirado do local nenhum material de posse pública, não se configura crime.” Continuou dizendo que, “quanto à retirada dos animais, não é de responsabilidade da prefeitura realizar a ação.”

Nem Martini nem a prefeitura souberam informar para qual local os animais foram levados nem quem é o grupo que os retirou do jardim.

Fonte: Gazeta Online


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

PRESERVAÇÃO

VAQUINHA ON-LINE

FINAL FELIZ

LEALDADE

COMPROMISSO

ESPECIAL

MAUS-TRATOS


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>