ABUSO E NEGLIGÊNCIA

Ucrânia diz que golfinhos explorados por militares morreram após ‘greve de fome’

A Rússia capturou golfinhos explorados em missões militares na Ucrânia, e animais morreram de fome no que foi chamado 'greve de fome' nacionalista

1.224

23/05/2018 às 06:00
Por Fernanda Cotez, ANDA

A Ucrânia tem um programa militar secreto que explora golfinhos para realizar tarefas militares. E, após captura desses animais pela Rússia, um representante ucraniano alegou que os mamíferos teriam morrido após uma ‘greve de fome’ que teriam feito em respeito à Ucrânia. O absurdo gerou repercussão na mídia internacional.

A Ucrânia tem um ‘exército de golfinhos’ no seu centro militar da Crimeia, e os animais são treinados e colocados em situações arriscadas de combate militar.

Golfinhos explorados por militares (Foto: GettyImages/iStock)

Golfinho explorado por militares (Foto: GettyImages/iStock)

Após uma anexação russa da Crimeia em 2014, os animais marinhos foram capturados. A Ucrânia exigiu seu retorno, mas as forças russas se recusaram. Alguns acreditavam que os russos estavam planejando retreinar os golfinhos como soldados russos.

Uma fonte disse à agência de notícias estatal russa RIA Novosti que os engenheiros estão “desenvolvendo novas tecnologias de aquário para novos programas que usem espécies marinhas de forma mais eficiente debaixo d’água”.

Quatro anos depois, parece que pouco veio desses supostos planos russos e a maioria dos golfinhos morreu. Um dos representantes ucranianos na Crimeia, Borys Babin, comentou que os animais morreram “de forma patriótica e nacionalista”, recusando-se a seguir ordens ou comer alimentos fornecidos pelos “invasores russos”, ou seja, os animais teriam morrido em decorrências de uma greve de fome.

Exploração perigosa 

Os golfinhos foram cruelmente treinados para realizar missões marinhas de alta periculosidade, e já foram até obrigados a plantar bombas em navios e atacar mergulhadores com armas amarradas à cabeça.

As forças armadas ucranianas vinham desenvolvendo a unidade secreta baseada em Sevastapol, na Península da Crimeia, desde os anos 1970, informa a Newsweek.

Após a alegação de Borys Babin de que os golfinhos teriam morrido por se recusar serem treinados ou alimentados por russos, o deputado russo Dmitry Belik afirmou que todos os golfinhos de combate que serviram nas forças navais da Ucrânia foram vendidos a entidades comerciais ou morreram de causas naturais.

(Foto: US Navy)

“Não se pode falar sobre qualquer patriotismo ucraniano com relação aos golfinhos de combate porque, sob a Ucrânia, os golfinhos das forças especiais … estavam envolvidos inteiramente em atividades comerciais, e não em operações submarinas”, disse Dmitry em comunicado.

De acordo com o The Guardian, o centro militar que explora golfinhos na Crimeia é apenas um de dois existentes no mundo – o outro local que mantém animais em cativeiro para treinamentos militares cruéis é San Diego, nos EUA.

Nota da redação: a exploração de animais marinhos para fins comerciais, militares ou entretenimento é prática cruel, que aprisiona, maltrata, adoece e coloca em situações de risco inúmeras vidas marinhas, todos os anos e em todos os lugares do mundo. Treinar golfinhos para missões de alta periculosidade, além de aprisioná-los em vida cativa, é atitude desumana, cruel e desnecessária. Toda e qualquer prática de aprisionamento, abuso, maus-tratos e exploração animal deve ser abominada e denunciada.