AVANÇO

Prisões da Califórnia podem oferecer refeições veganas aos detentos

O projeto de lei que tramita atualmente nos Estados Unidos e prevê que sejam acrescidas opções veganas aos detentos das prisões do estado da Califórnia

115

16/05/2018 às 14:30
Por Bárbara Alcântara, ANDA

Prisões, hospitais e asilos para idosos devem oferecer opções sem ingredientes de origem animal aos residentes e visitantes. Caso um projeto de lei criado pela senadora americana do partido Democrata Nancy Skinner seja aprovado, essa será a realidade do estado da Califórnia.

Reprodução | Ishikawa Ken

Atualmente, a lei garante que ofereçam opções sem carne, mas elas não necessariamente são veganas, ou seja, ainda podem conter alguns ingredientes de origem animal.

De acordo com Skinner, em entrevista ao site Plant Based News, “na escola, no trabalho ou em qualquer outro lugar, a maior parte de nós consegue satisfazer as nossas preferências gastronômicas trazendo comida feita em casa ou preparando-as no próprio lugar; mas essa opção raramente é real para pessoas na prisão, hospitais ou lares de idosos. A proposta de lei SB 1138 garante que uma refeição apenas com ingredientes de origem animal esteja disponível para qualquer um em configurações institucionais.”

Reprodução | Plant Based News

Bill Sessi, do Departamento estadual de Correções e Reabilitação da Califórnia, garante que já são oferecidas opções kosher, islâmica ou vegetariana aos detentos, mas a maioria opta pela refeição regular. A senadora rebate, dizendo que “oferecer opções de comida de origem vegetal é uma ótima maneira de dar às pessoas escolhas mais saudáveis e reduzir a emissão de gases estufa relacionados à alimentação.”

“Mas o mais importante, queremos ter certeza de que somos justos e oferecemos a todos opções de comida que se adequem a suas necessidades pessoais.”

Outros lugares do mundo

A tentativa de instituir que se coloquem opções veganas em cardápios de refeitórios públicos não é uma campanha particular dos Estados Unidos. Muitos outros países seguem o caminho, como a Escócia, que recentemente garantiu opções veganas em escolas, e também Israel, que serve refeições veganas nos refeitórios do exército.

No Reino Unido, o grupo The Vegan Society atualmente tem lançado campanhas para que comida vegana seja oferecida à população em cantinas públicas – servindo pessoas em estabelecimentos como prisões, escolas e hospitais.

Ano passado, aqui no Brasil gerou polêmica uma tentativa de aprovar, no estado de São Paulo, um projeto de lei que instituía a “Segunda Sem Carne”. Mas aqui já é lei que os refeitórios públicos ofereçam uma opção sem carne.

Os movimentos em prol dos direitos animais, no entanto, não seguem parados e continuam buscando formas de tornar o veganismo cada vez mais acessível às pessoas, diminuindo o sofrimento animal e os impactos ao meio ambiente.