ESTUPIDEZ HUMANA

Casal publica vídeos comendo animais ameaçados de extinção

Órgãos governamentais do Cambodja entram em contato com ambos e pede para que eles publiquem um pedido de desculpas público, e pensa em uma possível prisão

185

16/05/2018 às 13:00
Por Bárbara Alcântara, ANDA

O casal Ah Lin Tuch e Phoun Raty deixou seus seguidores no YouTube surpresos ao gravarem uma série de vídeos comendo animais de espécies protegidas na região onde residem, em Phnom Penh, no Cambodja.

Reprodução | Viral Press

Os dois ganhavam dinheiro pela rede social, e a intenção de gravar o vídeo comendo espécies “exóticas” de animais era reiterar a postura de sobrevivência em circunstâncias inusitadas, bem ao estilo de programas do canal Discovery Channel.

Nenhum problema tinha sido enxergado, até que as pessoas perceberam quais eram os animais, e que eles estavam na lista de proteção local. Foi assim que reportaram os dois às autoridades.

O Ministério do Meio Ambiente do Cambodja em pouco tempo contatou ambos e pediu para que eles fossem a público pedir desculpas por estarem “destruindo a vida selvagem”.

Reprodução | Viral Press

Chea Sam Arng, chefe da Diretoria de Administração da Conservação e Proteção da Natureza, declara em entrevista ao portal Metro: “Estamos agora em processo de tomar medidas legais contra eles (…) Os animais que foram comidos em sua maioria não estavam na lista de espécies ameaçadas, mas eram protegidas. Apenas uma delas corre o risco de extinção.”

Em defesa, o casal diz que compraram os animais em um mercado e que não sabiam da situação deles, caso contrário não o teriam feito. As autoridades locais estão investigando se a alegação é verdadeira ou se os animais foram mortos na natureza.

“Eu nem sabia quais eram os animais que nós usamos e nem o impacto deles na conservação da vida selvagem,” diz Ah Lin. “Eu comprei esses animais e estamos gravando os vídeos desde dezembro. Agora eu admito meu erro.”

Qual a diferença?

O acontecimento suscita um questionamento que vai para bem além da questão dos animais serem protegidos ou não, correrem risco de extinção ou não. Por que é que alguns merecem ser torturados, agredidos, desnutridos, e cruelmente assassinados e, outros, apenas quando em perigo de extinção, devem ser protegidos?

É hora de refletirmos sobre o por que, a princípio, não ter tido revolta alguma da parte dos seguidores ao ver o casal matar e comer os animais em vídeos. O que aconteceu com essas espécies em extinção é exatamente o que acontece dentro dos matadouros, com vacas, porcos, frangos… Como naturalizamos assim práticas tão agressivas?

São muitos os estudos que comprovam que, além de uma ação cruel, a indústria da carne, as fazendas de laticínios, as empresas de cosméticos que fazem testes em animais – e tantos outros ramos do mercados que exploram animais – são insustentáveis e danosos ao meio ambiente. É hora de pararmos de hipocrisia e admitirmos que o sofrimento de um, é o sofrimento de todos.