Caça de linces, gambás e coiotes é cancelada após mobilização de ativistas


A mobilização de ativistas em um recente protesto contra a cruel caça de animais selvagens em Indiana, nos Estados Unidos, foi efetiva. Linces, gambás, coiotes e guaxinins estariam sendo considerados “vida selvagem incômoda” na região, o que teria motivado a caça a princípio.

Cameron Clark, diretor da Comissão de Recursos Naturais do Indiana (NRC), decidiu revogar exigências de caça aos animais devido a protestos públicos contra elas. As exigências de ativistas contra a morte desses animais selvagens foram ouvidas e consideradas, antes mesmo que uma votação pudesse ser feita sobre essas propostas.

A caça de animais selvagens que seria feita pelo controle de animais em Indiana, nos EUA, foi cancelada após mobilização de ativistas (Foto: GettyImages)
A caça de animais selvagens que seria feita pelo controle de animais em Indiana, nos EUA, foi cancelada após mobilização de ativistas (Foto: GettyImages)

Nos meses que antecederam a retirada de Clark dessas propostas desumanas, quase 3 mil comentários públicos foram feitos sobre essas políticas sugeridas contra a realização da caça, e mais de 200 cidadãos de Indiana expressaram suas opiniões sobre eles em audiências públicas no estado.

A indignação geral das propostas gerou repercussão, com muitos chamando as caças de “sentença de morte” para os inocentes linces, gambás, guaxinins e coiotes do estado de Indiana. Além disso, uma petição que se opõe à política que obrigaria o controle de animais a matar toda a “vida selvagem incômoda” recebeu mais de 160 mil assinaturas, dando força à luta contra essa crueldade.

Mobilização efetiva

Ao derrubar a proposta de estabelecer uma temporada de caça a esses animais selvagens em Indiana, o diretor da NRC manteve a regra atual do estado que proíbe que pessoas matem ou tirem esses animais da natureza. A ação é uma grande vitória, já que os linces são os únicos gatos nativos da Indiana, e sofrem ameça ade extinção no estado desde 2005.

Foto: Michael Meservy

Em entrevista ao IndyStar, Clark disse: “Como todos sabemos, esse é um assunto delicado para várias pessoas e nós ouvimos e apreciamos o interesse, e sempre apreciamos as pessoas envolvidas no processo. Sentimos que precisamos trabalhar mais com nossos eleitorados em questões delicadas como essa”.

Mesmo com a revogação das caças desses animais em Indiana, só a proposta desses eventos serem realizados já mobilizou manifestações contra a crueldade animal.

Erin Huang, diretora estadual da filial de Indiana da Humane Society dos Estados Unidos (HSUS), disse ao IndyStar: “Claramente, os milhares de comentários vieram a fazer uma grande diferença neste caso. Eles sabem que estamos todos prestando atenção e que estamos ouvindo, e que nos preocupamos com esses problemas de vida selvagem”.

“Há milhares de cidadãos não conspiradores que querem ver nossa vida selvagem protegida”, reforçou a diretora da HSUS.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

COVARDIA

CRUELDADE

PROTEÇÃO ANIMAL

ALERTA

VITÓRIA

INVESTIGAÇÃO

FLÓRIDA

JAPÃO

AVANÇO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>