CHICOTE NUNCA MAIS

ONG que abriga cavalos idosos lança campanha para construir sede

em um terreno já existente. Temporariamente os animais estão hospedados em Gravataí (RS), após a ONG perder o espaço alugado em que abrigava os animais na capital gaúcha.

Divulgação | Chicote Nunca Mais
Divulgação | Chicote Nunca Mais

O projeto pioneiro criado há mais de 10 anos pela ONG Chicote Nunca Mais em Porto Alegre (RS) sofre por não ter uma sede para abrigar definitivamente os 28 animais em idade avançada amparados pela organização.

Para tentar resolver a situação, está sendo realizada uma campanha com o objetivo de angariar R$ 30 mil para custear a mão de obra e a estrutura que abrigará os cavalos em um terreno já existente.

Temporariamente os animais estão hospedados em Gravataí (RS), após a ONG perder o espaço alugado em que abrigava os animais na capital gaúcha. A presidente da Chicote Nunca Mais, Fair Soares, lembra que possuir uma sede é fundamental para a integridade dos animais. “Nossos cavalos são idosos e, alguns, deficientes. O trabalho da ONG funciona como uma geriatria. Precisamos de uma cama quentinha, um local abrigado das intempéries para poder mantê-los ali dentro. Eles não estão para doação. O que fazemos é o apadrinhamento deles”, explicou em entrevista ao Gaúcha ZH.

Divulgação | Chicote Nunca Mais

Fair, que é nutricionista de formação, revela que o projeto nasceu após ela flagrar uma égua sendo espancada até à morte. A ativista conta que desde aquele dia se engajou em descobrir formas de libertar animais explorados e, após tomar conhecimento que a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) leiloaria 30 cavalos idosos e vítimas de maus-tratos, ela buscou a ajuda de uma advogada e de uma veterinária e solicitou a proibição da venda dos animais à promotoria de Defesa do Meio Ambiente de Porto Alegre.

“Quando a promotora perguntou quem eu era, disse que fazia parte de uma ONG de proteção aos cavalos. Ela, em seguida, perguntou o nome da ONG. Fiquei em silêncio por uns segundos e lembrei da água morta na avenida. Na hora, falei: Chicote Nunca Mais! A ONG surgiu assim”, lembra.

Assim Fair conseguiu a guarda dos 30 animais, após comprá-los por R$100 cada um com a ajuda de amigos. Desde então a ONG não parou mais e em 2016 ganhou o prêmio Destaque Veterinário, do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Rio Grande do Sul (CRMV/RS), pela luta incessante em busca qualidade de vida para os animais resgatados pelo projeto.

Divulgação | Chicote Nunca Mais

Para continuar ajudando, a Chicote Nunca Mais precisa da ajuda de todos. Atualmente a ONG suporta a despesa mensal de R$15 mil distribuídos em hospedagem e alimentação dos cavalos. A entidade sobrevive com doações. Para colaborar acesse o site da organização e faça a sua parte.