IMPACTO AMBIENTAL

Muro de Trump pode levar animais e plantas à extinção nos EUA

Plantas como a flor Physaria thamnophila e espécies de animais, entre elas a jaguatirica, correm risco de extinção.

(Foto: Kevin Lamarque/Reuters)

Um ecossistema com grande biodiversidade que faz parte da fronteira dos Estados Unidos com o México e os animais que habitam o local estão ameaçados pelo muro que está sendo construído por ordem do presidente dos EUA, Donald Trump.

(Foto: Kevin Lamarque/Reuters)

O muro está sendo construído paralelo às margens de um rio, o que impedirá a circulação de espécies entre os dois países e colocará em risco plantas e animais ameaçados de extinção que, com isso, podem ser definitivamente extintos.

“Até agora, o muro só passou por cidades e desertos. Mas no Texas, ele vai precisar passar pelo Rio Grande, e isso é completamente diferente”, afirmou em comunicado Norma Fowler, bióloga da Universidade de Austin e autora de um artigo sobre o impacto ambiental da barreira. “Eu e outros biólogos do Texas estamos preocupados com o impacto que a medida terá no nosso rico patrimônio natural”, completou.

A bióloga e seu colega Tim Keitt analisaram os resultados parciais de 14 estudos sobre o assunto para que pudessem tirar conclusões sobre os efeitos negativos da construção do muro em relação à natureza.

Entre as plantas que podem ser extintas está a flor Physaria thamnophila. O único lugar do mundo onde ela cresce é exatamente o local no qual o muro será construído. A jaguatirica, que tem uma população de apenas 120 animais no Texas, e o urso-negro também correm risco de extinção. Além disso, pássaros e insetos polinizadores também serão prejudicados, já que encontrarão dificuldades para transportar pólen e sementes tendo o muro como obstáculo.

Os problemas ambientais gerados pela construção do muro podem gerar ainda prejuízos financeiros aos Estados Unidos, já que a observação da pássaros na natureza movimenta US$ 344 milhões por ano. “Se a barreira for construída longe do rio, o ecoturismo vai diminuir porque o acesso às reservas naturais nas margens foi impedido, e a região sofrerá com o impacto econômico”, explicou a bióloga no artigo. “Por outro lado, se as barreiras forem construídas perto demais do rio, elas vão impedir os animais de escapar das enchentes”, acrescentou.

Passagens para os animais, construídas ao longo do muro, atenuariam o problema, que só pode ser completamente solucionado com a decisão de não construir muro algum. Mas as passagens, no entanto, fazem parte de uma proposta que muito dificilmente seria aceita por Trump, já que por elas os imigrantes passariam e, lamentavelmente, é para impedir a entrada deles nos Estados Unidos que o muro está sendo feito.

“Mesmo pequenos segmentos de muro em reservas naturais podem devastar habitats, a recreação da população local e o ecoturismo”, concluiu Keitt.