TORTURA

Elefantes doentes são maltratados e forçados e transportar cargas na Índia

Os elefantes, doentes e cegos, foram maltratados por décadas e ainda são explorados para transporte de carga e entretenimento para turistas na Índia

Exploração de elefantes doentes e cegos na Índia (Foto: AFP Photo/ Andrew Caballero-Reynolds)
Exploração de elefantes doentes e cegos na Índia (Foto: AFP Photo/ Andrew Caballero-Reynolds)

Elefantes doentes e cegos estão sendo frequentemente forçados a carregar mais de 200 quilos no Forte Amber, na Índia. Os animais estão sendo explorados de forma a oferecer passeios a turistas, que financiam os maus-tratos e descaso com a vida desses belos animais.

A tortura sofrida pelos elefantes envolve trabalhos de cargas pesadas forçados aos animais cegos, doentes e exaustos. (Foto: BBC)
A tortura sofrida pelos elefantes envolve trabalhos de cargas pesadas forçados aos animais cegos, doentes e exaustos. (Foto: BBC)

Rajeshwari, por exemplo, é um elefante de 42 anos de idade que vive na Índia e é explorado desde 1990. Era um dos animais que ficava no chão de pedra por longas horas para abençoar os devotos e realizar rituais como jogar água para as divindades.

No último mês, o animal foi encontrado sob estado de exaustão, com um fêmur quebrado e o corpo repleto de feridas, e um ativista em defesa dos direitos animais denunciou o absurdo. Por fim, Rajeshwari não resistiu à tortura e morreu.

Um exame realizado pelo Conselho de Bem-Estar Animal da Índia (AWBI) durante os últimos meses analisou 19 animais cativos dos 102 elefantes, e foram constatados que os animais eram cegos, unilateral ou bilateralmente, tornando-os impróprios para qualquer trabalho. Além disso, 10 elefantes foram encontrados com tuberculose e 28 foram encontrados acima dos 50 anos de idade.

Conforme dito no relatório, “os animais foram encontrados sob grave sofrimento psicológico. As presas de 47 elefantes parecem ter sido cortadas. Os elefantes foram vistos carregando cargas pesadas acima de 200 kg”.

Explorados e lucrativos

Passeios de elefante são uma grande atração turística no Forte Amber. Havia 132 elefantes de propriedade privada em cativeiro no Rajastão em janeiro de 2015, 110 em 2016 e 102 em 2017, de acordo com informações do The New Indian Express.

Exploração de elefantes doentes e cegos na Índia (Foto: AFP Photo/ Andrew Caballero-Reynolds)
Exploração de elefantes doentes e cegos na Índia (Foto: AFP Photo/ Andrew Caballero-Reynolds)

Um dos motivos é que os elefantes em cativeiro são um comércio lucrativo. Conforme informações da BBC, o tutor de um elefante em Kerala, estado indiano, por exemplo, pode facilmente chegar a 70 mil rupias (mais de mil dólares) pela apresentação de um único dia de um animal em um festival religioso, durante a alta temporada.

Ativistas em defesa dos direitos animais exigiram a proibição total das atrocidades cometidas contra esses animais selvagens. O diretor de políticas públicas da PETA comentou ao TNIE: “Um relatório chocante de elefantes cegos e infectados com tuberculose veio à tona após exames. Esses animais são forçados a levar cargas pesadas no dia a dia. E os passeios com turistas devem parar”. Além disso, a PETA está pedindo às autoridades que intervenham e protejam esses elefantes sofredores.

Suparna Ganguly, presidente do Centro de Resgate e Reabilitação da Vida Selvagem, foi entrevistada pela BBC, e contou que “o comércio privado é acompanhado de negligência, corrupção e a apatia por parte dos departamentos do governo, que levou às condições inaceitáveis de ​​hoje”.