‘Reserva natural’ promove a morte de milhares de animais de fome


Uma ideia de ‘reserva natural’ que tinha como objetivo a reconstrução de um pântano a leste de Amsterdã se mostrou completamente falha, e provocou protestos após cervos, cavalos e bois terem morrido durante o último inverno na Holanda.

Um comitê especial criticou as autoridades por permitirem que populações de grandes herbívoros aumentassem sem controle em Oostvaardersplassen (OVP), fazendo com que as árvores morressem e as populações de aves selvagens diminuíssem. Cada pequena mudança em um espaço limitado como a reserva OVP causaria um enorme desequilíbrio ecológico.

Animais estão morrendo de fome na reserva natural localizada próxima a Amsterdã (Foto: Utrecht Robin/Action Press/Rex Shutterstock)
Animais estão morrendo de fome na reserva natural localizada próxima a Amsterdã (Foto: Utrecht Robin/Action Press/Rex Shutterstock)

A morte de mais de metade dos cervos vermelhos de Oostvaardersplassen, cavalos Konik e bois e vacas Heck também, gerou revolta na Holanda, já que os animais morreram de fome devido a incapacidade de gestão do ambiente pela organização florestal da Holanda.

Manifestantes contra a situação crítica da reserva chegaram a jogar fardos de feno sobre cercas, para alimentar animais sobreviventes. Uma petição foi criada para evitar o desastre ecológico e a crueldade que estão ocorrendo no local. Também, ecologistas e guardas foram criticados nas mídias sociais, e defensores animais compararam ‘OVP’ a Auschwitz.

A reserva ‘OVP’ foi criada em 1968, quando um mar interior foi drenado para duas novas cidades. Uma zona industrial transformou-se em um refúgio pantanoso. O ecologista holandês Frans Vera inseriu no local bois, vacas e cavalos selvagens para imitar o pastoreio de alguns desses herbívoros, e Oostvaardersplassen se tornou uma reserva de renome, internacionalmente reconhecida na época.

“Este experimento fracassou”, disse Patrick van Veen, um biólogo de animais, ao The Guardian.

“Você esperaria que 20 ou 30% morressem de causas naturais, incluindo fome, mas a população cresce no verão, e não há mecanismo de controle. Normalmente você teria predadores como lobos, mas é uma área pequena demais para ter predadores”, contou van Veen, explicando as razões do fracasso do experimento.

Carcaças de animais e árvores mortas são o ambiente torturante em que vivem os animais da reserva natural na Holanda (Foto: Utrecht Robin/Action Press/Rex Shutterstock)
Carcaças de animais e árvores mortas são parte do ambiente torturante em que vivem os animais da reserva natural na Holanda (Foto: Utrecht Robin/Action Press/Rex Shutterstock)

Oostvaardersplassen, no final de abril, parece uma paisagem de horror: árvores mortas desabaram sobre a grama e cavalos e veados estão visivelmente magros, definhando de fome. Os guardas florestais estão sendo obrigados a mover carcaças de animais que foram vítimas desse experimento cruel.

Uma comissão especial convocada pelo governo da Holanda pediu, nesta semana, a suspensão do princípio de permitir que ‘processos naturais’ determinem a existência desses animais.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

AVANÇO

COMPORTAMENTO

'SAVE RALPH'

ÍNDIA

REVOLTA

AÇÃO SOCIAL

MÉXICO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>