Oficial dos EUA ‘atrasa’ proteção de animais a pedido de grupo petrolífero


O mexilhão do Texas é um elegante molusco cinza-esverdeado cujo lar é a bacia hidrográfica do Rio Grande, e seu habitat, que se estendia do sul do Novo México até as áridas fronteiras do Texas, é uma área que se sobrepõe a riscos de derramamento de petróleo e gás.

Um funcionário do departamento de interiores dos EUA, Vincent DeVito, foi acusado de adiar proteções federais fornecidas a espécies ameaçadas como o mexilhão. Vincent teria feito isso a pedidos de grupos petrolíferos.

DeVito é um advogado de energia de Boston e ex-co-presidente da campanha presidencial de Donald Trump em Massachusetts, e está vindo à tona como arquiteto de uma situação crítica.

O mexilhão do Texas deveria ter entrado na lista espécies ameaçadas em novembro de 2017 (Foto: Joel Deluxe)
O mexilhão do Texas deveria ter entrado na lista espécies ameaçadas em junho de 2017 (Foto: Joel Deluxe)

O mexilhão do Texas deveria ser adicionado à listagem de espécies ameaçadas em junho de 2017, mas uma denúncia e investigação do The Guardian alarmaram que o funcionário do departamento de interior recebeu um e-mail pedindo que a listagem de espécies ameaçadas fosse adiada por seis meses, o que caracterizaria uma oposição da indústria de petróleo à proteção de espécies ameaçadas.

O e-mail foi enviado por Samantha McDonald, diretora de relações com o governo da IPAA (Associação Americana Independente de Petróleo).

E-mails resgatados na investigação comprovam que, em menos de 30 dias depois, em agosto, o Serviço de Pesca e Vida Selvagem (FWS) dos EUA concedeu o atraso solicitado. “Em nome de meus membros, eu queria agradecer o atraso de 6 meses no mexilhão do Texas”, escreveu McDonald, acrescentando que foi “uma boa ligação”.

O comportamento inadequado de DeVito no processo de listagem levanta questões éticas e legais. O animal, se incluído na lista de espécies ameaçadas, teria sua importância exaltada e seriam proibidas ações que prejudicassem essa espécie.

Em 2016, por exemplo, o Serviço de Pesca e Vida Selvagem (FWS) listou o lagostim da Grande Areia como ameaçado, o que significa que novas minas de carvão são obrigadas a consultar a FWS antes de iniciar projetos que possam ser prejudiciais ao animal listado.

“As decisões de listagem sob a Lei de Espécies Ameaçadas destinam-se a decisões inteiramente baseadas na ciência que resultam – em alguns casos – de anos de revisão por especialistas na área, não nomeados políticos”, diz Elizabeth Klein, vice-diretora do centro estadual de impacto ambiental e energético da Universidade de Nova York, para o The Guardian.

Pesquisas já comprovaram que a mineração é o maior fator que eliminou o mexilhão do Texas e grande parte de sua variedade.“Um atraso em si pode não ser o fim do mundo – mas, novamente, pode muito bem ser o fim para uma espécie em perigo”, comentou Klein.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

PAUTA EMERGENCIAL

SOLIDARIEDADE

GESTO DE AMOR

TAILÂNDIA

ESTUPIDEZ HUMANA

POLUIÇÃO

AUSTRÁLIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>