Pesquisadores vendem chocolates para salvar tartaruga de cabelo verde de extinção


Para tentar salvar a tartaruga-do-mar Mary River, que entrou recentemente na lista de répteis ameaçados da Sociedade Zoológica de Londres. Ambientalistas recorreram à venda de chocolates em formato de tartaruga. Sem o auxílio do governo australiano, também apostam na sensibilidade da população com a criação de uma vaquinha online.

Tartaruga de cabelo verde que respira através de seus genitais adicionada à lista de espécies ameaçadas. (Foto: Chris Van Wyz/ZSL/PA)
Tartaruga de cabelo verde que respira através de seus genitais adicionada à lista de espécies ameaçadas. (Foto: Chris Van Wyz/ZSL/PA)

Nativo da região de Queensland, na Austrália, o animal tem um visual ‘punk’ por causa do seu moicano verde e consegue ficar embaixo d’água por até 3 dias respirando através de seus órgãos reprodutores. O réptil raro é encontrado apenas no rio Mary –de onde vem seu nome.

O plano de recuperação da tartaruga Mary River foi detalhado pela pesquisadora da Universidade de Charles Darwin, Marilyn Connell, que integra o grupo de voluntários “Tiaro Landcare”, ao jornal britânico “The Guardian”.

Segundo ela, os fundos arrecadados serão destinados principalmente à proteção dos ninhos e ao financiamento de pesquisas científicas sobre a tartaruga e outras quatro espécies que vivem no rio australiano e também estão ameaçadas de extinção.

O grupo que atua desde 2001 afirma já ter recebido apoio do governo australiano em ações anteriores, mas diz não ter perspectivas de um novo auxílio. “Há um plano nacional de recuperação que incluía as espécies de tartaruga e nunca foi promulgado, mas não sabemos exatamente o motivo”, relata Connel ao justificar a necessidade da busca de fontes fora da Austrália.

Um dos planos, inclusive, é pleitear ajuda do Fundo de Conservação Mohamed Bin Zayed, chefiado por Mohamed Bin Zayed Al Nahyan, o príncipe herdeiro de Abu Dhabi, que já havia apoiado o trabalho do grupo por três anos. “Precisamos de apenas US$ 40 mil (cerca de R$ 135) por ano para financiar um programa de trabalho”, aponta ela.

“Desde a década de 1970, os ninhos da espécie despencaram 95%. Nossa esperança é que, com sua doação, possamos aumentar as chances de sobrevivência desta tartaruga ameaçada de extinção”, destaca o texto da vaquinha virtual, que conta com a comoção que a notícia da extinção da exótica Mary River gerou.

Popularidade como animal doméstico

Segundo o departamento de Meio Ambiente da Austrália, a queda no número de animais se deu por causa da popularidade da tartaruga como animal doméstico nos anos 70 e 80. O animal só foi reconhecido como uma espécie distinta em 1994.

“A tartaruga Mary River leva um tempo excepcional para atingir a maturidade sexual, com indivíduos que não acasalam antes dos 25 anos”, diz nota da Sociedade Zoológica de Londres, que aponta a destruição do seu habitat –com a construção de barragens– e a venda dos ovos para o mercado de animais domésticos como responsáveis pelo impacto na preservação da espécie.

A lista EDGE of Existence tem cem répteis e mostra suas respectivas condições de conservação. Criada em 2007, a lista já publicou anfíbios, aves, corais e mamíferos. Agora, foca em répteis. Cada espécie ganha uma classificação que analisa seu risco de extinção baseado no quão isolada está e quão única é a espécie. Atualmente, a tartaruga Mary River ocupa a 30ª posição do ranking.

Fonte: Uol (com informações da AFP)


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

DESUMANIDADE

AGRESSÃO BRUTAL

INDÚSTRIA CRUEL

ECONOMIA

AMEAÇA DE EXTINÇÃO

ACIDENTE

CRUELDADE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>