Um novo filme mostra como a caça de baleias nas Ilhas Faroé pode acabar devido aos perigosos níveis de mercúrio encontrados na carne dos animais.

Foto: Intrepid Cinema

A baleia faz parte da dieta dos moradores das Ilhas Faroé e, apesar dos alertas de oficiais médicos há uma década de que os animais contêm níveis perigosos de mercúrio, os residentes continuaram com a tradição.

Porém, um novo documentário, “The Islands and the Whales” (As Ilhas e as Baleias), revela que os moradores locais têm percebido que o consumo de baleias-piloto não pode continuar já que representa muitos riscos para a saúde.

O mercúrio entra no oceano por meio de chuvas, sendo que o produto químico é bombeado para a atmosfera a partir da queima de combustíveis fósseis. Em 2008, um artigo no New Scientist relatou que os médicos das Ilhas Faroé Pál Weihe e Høgni Debes Joensen consideravam a carne de baleia insegura para consumo humano devido ao alto nível de mercúrio. O envenenamento por mercúrio pode acarretar uma série de doenças, incluindo desenvolvimento neural fetal, pressão alta, problemas circulatórios e possível infertilidade.

O alerta não foi ignorado, mas as caças continuaram. No documentário, a população participa de um estudo médico que mostra como o consumo da carne de baleia contaminada com mercúrio aumenta os níveis da substância química no corpo e como isso prejudica os níveis de QI.

Foto: Intrepid Cinema

Um pai é informado de que ele tem 16,8 ng / mL, enquanto o nível normal de mercúrio no sangue é geralmente menor que 10 ng / mL. Felizmente, suas filhas possuem taxas seguras de mercúrio no sangue, mas o médico fala sobre os perigos associados ao consumo da carne de baleia,revela o Daily Mail.

‘Nós observamos o desenvolvimento cerebral desacelerar. Em torno de um QI a menos pelo dobro de mercúrio”, explica.

Um homem afirma que reduziu a quantidade de carne de baleia depois de descobrir o alto teor de mercúrio em seu corpo. Outros também alegam o mesmo. Outro homem diz que estocou a carne porque “não espera que [a caça de baleias] perdure por muito mais tempo”.

No entanto, não é apenas a caça de baleias que pode acabar nas Ilhas Faroe: a caça de pássaros também pode ter o mesmo destino.

Os moradores ingerem puffin e fulmar, mas um caçador de pássaros explica que os animais estão em declínio em decorrência da poluição e “todos os seus pequenos estômagos estão geralmente repletos de plástico”. Ele acrescenta: “Na primeira vez em que o jovem fulmar abre seu bico, ele está com plástico dentro”.

Foto: SeaSheperd

As Ilhas Faroé dizem que o aumento da poluição prejudicou a população de aves marinhas cujos números caíram drasticamente.

Conforme o filme continua, fica claro que a cultura da região está ameaçada. Há muitos anos, a organização Sea Shepherd faz campanhas contra a caça às baleias nas Ilhas Faroé e, em 2017, divulgou inúmeras fotos de uma caça de baleias que mostravam o oceano tingido pelo vermelho do sangue dos animais.

Os ativistas contaram como a prática envolvia caçadores inserindo “lanças espinhais” no pescoço dos animais para quebrar suas medulas espinhais. Um voluntário afirmou: “Nós testemunhamos baleias aparentemente batendo suas cabeças contra as pedras em desespero”.

O governo das Ilhas Faroé afirmou que a carne de baleia e a gordura das baleias-piloto são uma parte valiosa da dieta nacional há muito tempo e que estão caçando “de forma sustentável”.