Bebê orangotango acorrentado rasteja para pedir socorro em zoo

Preso ao chão com uma corrente grossa na cintura, um bebê orangotango no Samutprakarn Crocodile Farm e Zoo na Tailândia é forçado a posar para fotos de turistas durante todo o dia.
Ao invés de viver na natureza com sua mãe, ele mal consegue andar três pés sem ser enganchado pela corrente. Em um recente vídeo postado por um turista, o filhote veste shorts de ginástica, rasteja em círculos e se joga no chão. Multidões o chamam, fazendo com que ele corra e seja puxado pela corrente.

Após o orangotango pegar um pedaço de lixo e colocá-lo em sua boca, um adestrador golpeia seu rosto e o arrasta. O bebê também é mostrado em outros vídeos no mesmo chão de concreto, subindo em uma cadeira de plástico ou sentado ao lado de um bebê chimpanzé diante de jaulas estreitas.

Para Prashant Khetan, diretor executivo da Born Free USA, uma grande preocupação é com o destino do jovem orangotango quando ele se tornar mais forte e menos tolerante com a interação humana.
“Os orangotangos são tipicamente solitários e fazer com que um interaja com os seres humanos requer algum ‘treinamento’ – e é por isso que este orangotango é acorrentado e abusado por seu manipulador. Eles podem viver entre 40 e 50 anos. Chegará um momento em que o orangotango precisará ser descartado porque este ‘ato’ não é mais lucrativo para o proprietário”, diz Khetan ao The Dodo.

Quando os primatas são explorados para entretenimento por zoos, particularmente na Ásia, é muito provável que eles sejam originários do comércio de animais selvagens, explica Khetan. Isso geralmente envolve o sequestro de filhotes das mães na natureza que são vendidos após as mães serem assassinadas.