EM BUSCA DE JUSTIÇA

Ativistas exigem que presidente de empresa de construção seja condenado pela caça de animais protegidos

Ativistas pelos direitos animais aumentam a pressão sobre as autoridades para que o presidente de uma das maiores empresas de construção da Tailândia seja responsabilizado pela caça e morte de animais protegidos, incluindo uma pantera negra em um santuário de animais silvestres

563

13/03/2018 às 16:30
Por Redação

 

Foto: Reprodução, World Animal News

Premchai Karnasuta, de 63 anos, presidente da Italian-Thai Development, esteve no The Thung Yai Naresuan Wildlife Sanctuary, que está listado como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.

Guardas-florestais descobriram Karnasuta e outros três indivíduos dizendo ser turistas em uma área restrita, juntamente com a pele e os cadáveres de diversos animais.

O Bangkok Post informou no momento em que os quatro suspeitos foram acusados de caça não autorizada em um santuário de vida selvagem, posse de cadáveres de animais selvagens, posse de ferramentas de caça em um santuário da vida selvagem, posse não autorizada de produtos florestais e posse ilegal de armas de fogo, informou o World Animal News.

Os ativistas, incluindo membros do grupo do Facebook A Call for Animal Rights Thailand, se reuniram perto da sede da empresa de construção para pressionar a polícia a condenar os homens, independentemente de sua riqueza ou status.

De acordo com  o The Nation, a ação apresentou artistas pintando grafite e uma imagem de um leopardo preto com mensagens como “Justiça para a Vida Selvagem”.