Elefantes são acorrentados e espancados para participar de torneio de polo


Um vídeo expôs um polêmico evento de caridade envolvendo a exploração de elefantes na Tailândia. Ativistas têm exigido o encerramento da prática.

Foto: Reuters/Soe Zeya Tun

Realizado na capital Bangkok, o Torneio de Polo de Elefante da Copa do Rei alega realizar uma campanha de arrecadação de dinheiro para programas de bem-estar de elefantes e outras causas. Em seu 16º ano, a Copa disse ter “gigantes gentis, emoção esportiva e [uma] aura luxuosa de glamour”.

O Anantara Hotels, que organiza e sedia o evento, descreveu-o como “um destaque dos calendários sociais anuais da alta sociedade internacional e uma extravagância de mídia inigualável”.

A variedade de patrocinadores locais e internacionais do evento incluiu a Autoridade de Turismo da Tailândia, Chang Beer, o Citibank, o Dilmah Tea, o Hooters Asia e o Ricoh. Os participantes no torneio representaram empresas como consultoria PWC, a IBM e a Johnny Walker.

“Eles são elefantes que normalmente podem trabalhar em acampamentos em algum local e nosso intuito é trazê-los aqui por uma semana de férias. Temos nossos veterinários aqui, eles têm sido bem alimentados, estão se divertindo”, afirmou um dos organizadores antes do evento.

No entanto, um vídeo divulgado pela PETA mostra uma realidade completamente diferente. A filmagem mostra manipuladores, conhecidos como mahouts, usando bullhooks (uma ferramenta afiada) para golpear os animais na cabeça e arrastando-os pelas orelhas, revela o Asian Correspondent.

Foto: Reuters/Soe Zeya Tun

“O único modo de fazer elefantes tolerarem humanos em suas costas para jogos de polo ou qualquer outro motivo é  ‘quebrá-los’. Eles são acorrentados e espancados com bullhooks ou outras armas e constantemente ameaçados de violência. Se olharmos com honestidade para a realidade da vida em cativeiro para elefantes em comparação à vida que eles deveriam ter na natureza, podemos ver como os adestradores degradaram esses animais magníficos”, disse a PETA.

Após a investigação da organização, o Anantara Hotels emitiu uma declaração alegando que o tratamento dos elefantes mostrados nos vídeos era “totalmente contraditório” com o propósito do torneio”.

O evento deste ano arrecadou US$ 128 mil que serão revertidos para projetos de “proteção de elefantes”, segundo o The Nation. Os organizadores da exploração alegam que o torneio arrecadou quase US$ 1,5 milhão até hoje.

A PETA disse que o protesto contra os abusos cometidos contra elefantes fez com que a empresa Tiger Tops parasse de sediar a Competição Internacional de Polo de Elefante enquanto o Guiness World Records removeu qualquer menção da prática em suas publicações.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

AMOR

ASFIXIA

ATO DE AMOR

GENEROSIDADE

MOÇAMBIQUE

ÍNDIA

MINAS GERAIS

ESTUDO

CONSUMO CONSCIENTE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>