Cão morre após ser forçado a viajar em compartimento de malas


Instagram/Reprodução

A empresa área United Airlines é mais uma vez alvo de denúncias de maus-tratos e morte de animais. A vítima desta vez é o cãozinho Kokito, que foi forçado por um comissário de bordo a viajar no pequeno e abafado compartimento de malas de mão de um avião.

O animal viajava com sua tutora, Catelina Robledo, em um voo com saída de Houston e destino a Nova York. Kokito, que tinha apenas 10 meses de vida, estava em um pequena mala de transporte, mas foi impedido de ficar próximo ao assento da tutora.

Maggie Gremminger, uma das passageiras do avião, denunciou o caso em suas redes sociais. Ela afirma que Catelina insistiu ao máximo com o funcionário da empresa para que o cãozinho pudesse ficar próximo a tutora.

Ela afirma ainda que a guardiã do animal sentiu uma dor intensa ao encontrá-lo sem vida. “No final do voo, a mulher encontrou seu cachorro, falecido. Ela sentou-se no corredor do avião no chão chorando, e todos os passageiros ao redor estavam totalmente atordoados”, disse.

A United Airlines, que é responsável pela morte de 18 animais nos últimos anos, assumiu a responsabilidade pela morte do cão e afirmou que o animal jamais deveria ter viajado no compartimento de malas. Uma porta-voz da companhia aérea disse ainda que o caso está sendo investigado.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

DENÚNCIA

ATROCIDADE

POLÍTICA PÚBLICA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>