Recifes de mariscos estão mais ameaçados do que Grande Barreira de Corais


Um estudo conduzido pela The Nature Conservancy alertou que mais de 90% dos recifes de marisco desapareceram dos litorais do país e os remanescentes são mais ameaçados do que a Grande Barreira de Corais.

Foto: Cayne Layton

O líder da pesquisa, Chris Gillies, disse que 85% dos recifes de marisco, compostos de espécies como mexilhões, foram perdidos ou gravemente prejudicados em todo o mundo. Porém, na Austrália, a situação é ainda mais grave.

“Nosso estudo confirma (que a Austrália possui) menos de 1% de ostra plana europeia e 10% dos habitats de Saccostrea restantes”, disse Gillies.

Ian McLeod, pesquisador sênior da James Cook University, explica que alguns dos principais fatores responsáveis pelo declínio dos recifes são a pesca, doenças, espécies invasoras e a queda da qualidade da água.

Segundo os cientistas, as ostras e os mexilhões podem desenvolver habitats importantes para uma variedade de espécies e auxiliar a criar recifes e camas que oferecem vários serviços ecossistêmicos, noticiou o The Sidney Morning Herald.

A perda desses habitats pode agravar as mudanças climáticas e aumentar os riscos associados às tempestades intensas e ao aumento do nível do mar, concluiu o estudo. Gillies diz que a Austrália está preparada para reverter o declínio dos ecossistemas de mariscos e que há uma série de projetos em andamento com a ajuda do financiamento público e privado. “Ainda há tempo para combater o declínio dos recifes de marisco”, afirmou.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

TRATAMENTO MÉDICO

PROGRESSO

GANÂNCIA

DESTRUIÇÃO AMBIENTAL

COREIA DO SUL

VEGANISMO

PRESSÃO PÚBLICA

RESILIÊNCIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>