CONTEÚDO ANDA

Mais de 50% das mortes de orcas aprisionadas no SeaWorld são causadas por infecções

Imagens de uma orca de 10 anos chamada Malia, confinada no SeaWorld Orlando (EUA),  mostram manchas marrons em sua pele branca e são uma evidência de seu sofrimento

531

12/02/2018 às 06:20
Por Redação

Evidentemente, ela possui uma infecção e seus ferimentos parecem ter se desenvolvido de modo rápido e alarmante. A condição de Malia é desconhecida porque o SeaWorld não divulgou essa informação.

Foto: sworlandophotography, Instagram

Porém, pode ser uma infecção causada por fungos, uma infecção bacteriana ou uma combinação dos dois. Isso é agravado pelo enfraquecimento do sistema imunológico que é uma consequência do estresse do cativeiro.

Em um relatório do San Antonio Express-News, foi revelado que as infecções mataram cerca de 150 leões marinhos, beluga, orcas e outros golfinhos explorados nos parques SeaWorld nos últimos 30 anos. Elas foram particularmente mortais para orcas, contribuindo com 60% de suas mortes.

As mortes do pai de Malia, Tilikum, e de sua irmã Unna também foram provocadas por infecções em 2017 e 2015, respectivamente. No último ano, uma orca chamada Kasatka faleceu após sofrer uma infecção com sintomas semelhantes aos de Malia.

Segundo os registros, Kasatka tinha uma infecção bacteriana no pulmão desde pelo menos 2008 e seu corpo estava coberto de lesões antes da morte. Ainda assim, o SeaWorld San Diego a inseminou artificialmente e a obrigou a ter um bebê, revela o portal Seaworld of Hurt.

Discutindo o estado de Kasatka perto do final de sua vida, Jeffrey Ventre, médico e ex-treinador do SeaWorld, declarou: “Quando eu vi a imagem dela hoje, como médico, me lembrou imediatamente do estágio final da AIDS. Ela é tão imunodeprimida, coberta de fungos, é evidente que está perto da morte. Espero que ela morra rapidamente”.

Os animais que vivem em cativeiro são muitas vezes privados de tudo o que é natural e importante para eles e têm problemas de saúde provocados pelo encarceramento.

De acordo com o Manual Veterinário de Merck, “os mamíferos marinhos cativos parecem particularmente vulneráveis a infecções causadas por fungos”.

O estresse do cativeiro pode contribuir para isso. Quando  a veterinária Heather Rally visitou o SeaWorld San Diego em 2014, ela observou muitos sinais de estresse, especialmente entre os mamíferos marinhos.

Ela viu golfinhos com uma condição de pele frequentemente relacionada a um sistema imunológico debilitado e que ainda tinham que interagir com o público. A profissional também testemunhou uma maior agressão entre os animais e orcas com indícios preocupantes de sofrimento psicológico.

As orcas são animais inteligentes que, no oceano, percorrem até 224 quilômetros com suas famílias diariamente. No SeaWorld, elas são confinadas a tanques que lhes permitem nadar apenas uma pequena parte dessa distância, muitas vezes sem a companhia de nenhum membro da família.

Mesmo quando estes animais não morrem de infecções nos parques, eles enfrentam um grande estresse que pode contribuir para outras causas de morte prematura.