REPREENSÃO

Investidores condenam Whole Foods por ignorar crescimento do veganismo

A Farm Animal Investment Risk & Return Initiative (FAIRR) - um grupo de 57 investidores influentes – divulgou um relatório intitulado "Lucros à base de vegetais: riscos e oportunidades de investimento em sistemas alimentares sustentáveis"

681

19/02/2018 às 18:00
Por Redação

 

Foto: VegNews

A FAIRR mostrou as principais etapas realizadas pelas empresas para solucionar o problema global da dependência de proteínas animais. A coalizão enviou uma carta a 16 empresas, incluindo a Heinz, o Walmart, a Costco, a Nestlé, a Tesco e o Whole Foods Market, em Setembro, para descobrir como as companhias irão lidar com o crescimento do setor de alimentos veganos para mitigar os riscos destrutivos associados ao apoio à indústria agropecuária.

No documento, a coalizão dos investidores – que administra coletivamente US$ 2,4 trilhões – informou que das 16 empresas procuradas, apenas o Whole Foods não respondeu. “Das produtoras de carnes aos supermercados, o setor alimentar mundial está rapidamente aprendendo sobre as alternativas à base de vegetais para produtos de proteína animal e isso motiva o crescimento anual de 8% do mercado de proteínas alternativas”, afirmou o fundador da FAIRR, Jeremy Coller.

Desde 2017, a FAIRR trabalha com diversas empresas listadas na carta para diversificar seus produtos e se afastar de opções de origem animal. A Nestlé adquiriu a empresa de carnes vegetais Sweet Earth Foods em Setembro, enquanto a Tesco aproveitou realizou uma parceria com o chef vegano Derek Sarno para lançar a linha de refeições veganas Wicked Kitchen no início deste ano, conforme noticiado pela VegNews.

A gerente de investimento da FAIRR, Rosie Wardle, disse que “o negócio não é uma opção” para as empresas que se recusam a abandonar a prática insustentável de criar animais para a alimentação.