FILME

Gladiadores eram vegetarianos, diz documentário ‘The game changers’

O argumento apresentado pelo filme de que os gladiadores eram vegetarianos é baseado em um estudo elaborado a partir de aproximadamente 5 mil ossos pertencentes aos lutadores romanos. 

(Foto: Divulgação)

O documentário ‘The game changers’, dirigido pelo documentarista vencedor do Oscar Louie Psihoyos, desmonta o mito de que é preciso consumir proteínas animais para se ter um bom desempenho esportivo. No filme, esportistas de elite, que chegaram ao topo com uma dieta vegetariana, são entrevistados.

(Foto: Divulgação)

Alguns dos atletas que mantém excelente desempenho com uma alimentação à base de vegetais são os corredores Carl Lewis, Scott Jurek e Morgan Mitchell, o nadador Murray Rose, os levantadores de pesos Kendrick Farris e Patrik Baboumian.

Capaz de levantar mais de 500 kg, Baboumian é considerado um dos homens mais fortes do mundo e o mais forte da Alemanha. “Quando parei de comer carne, fiquei maior e mais forte”, afirma Baboumian, alemão de origem iraniana, que levanta e move quatro homens como se fossem penas. As informações são da AFP divulgadas pelo Diário Catarinense.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

O documentário aponta ainda que até mesmo “os gladiadores eram vegetarianos” ao se referir a conclusão de um estudo elaborado a partir de aproximadamente 5 mil ossos pertencentes aos lutadores romanos.

O filme, que é exibido na seção “Cinema Culinário” da Berlinale, aborda ainda estudos científicos e traz opiniões de especialistas que fazem advertências sobre os riscos para a saúde da ingestão de proteínas animais, especialmente relacionados a doenças coronárias.

O ator e fisiculturista Arnold Schwarzenegger conta, durante o documentário, ter adotado uma dieta vegetariana. No passado, ele consumia 110 gramas por dia de proteína animal. A mudança na dieta afetou diretamente a saúde do ator que, agora, é mais saudável. “Aos meus quase 69 anos, tenho o nível de colesterol mais baixo da minha vida!”, conta Schwarzenegger.

O diretor do documentário, que também é ambientalista, ganhou em 2010 um Oscar com o filme ‘The Cove’, no qual denunciou o extermínio de golfinhos, por meio da pesca, no Japão. À AFP, ele afirmou que percebeu que a melhor maneira de lutar pela preservação do planeta é apelar aos hábitos alimentares.

“Comprar um carro híbrido ou mudar o tipo de lâmpadas tem muito menos impacto que a alimentação, dado que comemos três vezes ao dia!”, defende o ambientalista americano, que expõe em seu filme a forma como a criação maciça de bois para fins de consumo afeta o meio ambiente.

De acordo com o documentarista, a falsa ideia, desmentida por diversos estudos, de que comer carne é saudável segue amplamente vigente, isso se deve aos interesses da indústria agropecuária. “Há bilhões de dólares em jogo” e o setor tenta reter pelo maior tempo possível a informação prejudicial, assim como foi feito com a indústria do tabaco na segunda metade do século XX, afirma Psihoyos.

O filme dirigido por Psihoyos terá grande impacto, garante o ambientalista. “95% das pessoas que o viram nos testes disseram estar dispostas a modificar sua dieta”, conclui.