CONTEÚDO ANDA

Porto de Santos confirma suspensão de embarque de animais por determinação da ANTAQ

A Companhia Docas do Estado de São Paulo afirmou que a suspensão será mantida até que seja concluído o processo sobre o caso que tramita na Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ).

766

12/01/2018 às 19:32
Por Redação

A Companhia Docas do Estado de São Paulo (CODESP) enviou uma nota oficial à redação da ANDA confirmando a suspensão do transporte de animais vivos no Porto de Santos. Os animais seriam enviados pela Ecoporto.

Bois sendo embarcados em navio para serem levados à Turquia (Foto: Carlos Nogueira/AT)

De acordo com a CODESP, a suspensão será mantida até que seja concluído o processo que tramita na Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ).

“A recente suspensão das operações de embarque de carga viva decorre por medida preventiva desta CODESP em virtude de tramitar no órgão regulador (ANTAQ) processo que definirá a realização de tais operações. Até que se conclua o trâmite, as operações estão suspensas. Após a manifestação do órgão competente, a CODESP tomará as medidas cabíveis”, afirma a nota enviada pela assessoria de imprensa do Porto de Santos.

O deputado federal Ricardo Izar Jr. havia questionado a direção do Porto de Santos se a Ecoporto Santos teria autorização para fazer este tipo de operação. A direção recebeu a resposta da ANTAQ informando que a empresa não tinha permissão para realizar este tipo de atividade e por isso determinou que os embarques fossem suspensos.

Em nota oficial enviada à ANDA, o Porto de Santos reafirmou a suspensão do embarque de animais vivos (Foto: Divulgação)

A Companhia Docas do Estado de São Paulo, em nota divulgada anteriormente, se colocou contrária aos maus-tratos impostos aos animais e alegou “que constitui a missão desta companha o desenvolvimento econômico com responsabilidade socioambiental, não caracterizando sob nenhuma hipótese a nossa intenção de desrespeitar a vida animal”.

Nota da Redação: É importante, urgente e necessário que ativistas pelos direitos animais, representantes da classe política e do judiciário e também toda a sociedade se mobilize para que este tipo de transporte absolutamente cruel, que provoca profundo estresse físico e emocional nos animais, seja abolido no Brasil. Intrinsecamente, este transporte fere todas as leis de proteção e bem-estar animal.