Projeto de Lei da Segunda Sem Carne chacoalha o Brasil


O que importa não é quanto a indústria pecuária perde com a Segunda Sem Carne, mas quanto a população ganha em termos de saúde, o planeta em termos de proteção ao meio ambiente e os animais em razão do seu direito à vida

Divulgação

Era para ser só mais um PL (Projeto de Lei) em defesa dos animais do deputado estadual Feliciano Filho (PSC) que já tem seis leis aprovadas em SP como o fim das “carrocinhas”, o PL Antipeles, o PL Antitestes em animais e a Nota Fiscal Animal Paulista, dentre outros, mas a Lei da Segunda Sem Carne acabou gerando uma briga ferrenha entre amantes da carne e amantes dos animais nos últimos dias do ano pelas redes sociais. A mídia ficou inundada com o assunto. E a polêmica está longe de acabar!

A indústria pecuária logo reagiu alegando prejuízos financeiros que, aliás, é sua única preocupação lembrando o recente caso do transporte dos 20 mil bois a partir do Porto de Santos em containers onde eles mal podiam se mexer para uma longa viagem pelo mar. É claro que a indústria pecuária e seus discípulos subiriam nas cadeiras para sapatear “Queremos carne todo dia”, ainda que o PL 87/2016 só restrinja o consumo de carne em bares e restaurantes que forneçam refeição em Orgãos e em escolas públicas do Estado.

Divulgação

Entenda o caso

No centro de uma grande polêmica desde o dia 27 de dezembro, quando teve seu Projeto de Lei da Segunda Sem Carne aprovado na Assembleia Legislativa de SP (Alesp), o deputado estadual Feliciano Filho (PSC) passou os últimos dias recebendo críticas, sendo exaustivamente citado na mídia e também sendo tratado como herói por aqueles que defendem a causa animal.

A Segunda Sem Carne é um movimento surgido em 2003 nos EUA e que tomou força a partir de 2009 com Paul McCartney. Hoje já é adotada em cidades de 44 países, inclusive no ano passado pelo prefeito de Nova York visando combater obesidade nas crianças e contribuir para com o meio ambiente.

Divulgação

Aliás, cabe aqui a citação de Albert Einstein (Prêmio Nobel de 1921): “Nada irá beneficiar a saúde humana e aumentar as chances de sobrevivência da vida na Terra, tanto quanto a evolução para uma dieta vegetariana”.

Conheça dez grandes motivos para apoiar a Segunda Sem Carne:

1) Mata-se no Brasil todos os anos quase tantos animais quanto o número de pessoas na Terra: São mortos cerca de 70 bilhões de animais em todo o mundo para alimentação humana por ano. Segundo dados do IBGE de 2016, por dia são mortos no Brasil 81 mil bois, 117 mil suínos e 1,5 milhão de aves. São cerca de 6 bilhões de animais abatidos todos os anos no país – quase a população de seres humanos na Terra que hoje está 7,6 bilhões

Divulgação

2) Sofrimento do nascimento à morte: No site da campanha “Meat Free Mondays” (Segundas Sem Carne), Paul McCartney diz: “Bilhões de animais são criados e mortos a cada ano. A maioria deles é criada em gaiolas, galpões e engradados superlotados. Sem espaço para esticar membros ou asas e sem acesso à luz do dia ou ao ar fresco, esses animais ficam loucos, feridos e morrem devido às condições em que são mantidos. Os animais de criação são submetidos a mutilações, como ter seus bicos cortados, seus dentes arrancados e suas caudas amputadas para impedir que se machuquem mutuamente por conta do tédio e da frustração. Terminam suas vidas com uma morte brutal no matadouro. Comer menos carne é um passo compassivo que ajuda a prevenir a crueldade e o sofrimento”

3) Fome Mundial: Cerca de 800 milhões de pessoas no planeta sofrem de fome ou desnutrição, enquanto uma quantidade de cereais que poderia alimentar três vezes esse número de pessoas é destinada ao gado, criação de porcos, galinhas e outros animais para consumo

Divulgação

4) Efeito Estufa: A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) estima que a produção pecuária seja responsável por 14,5% das emissões globais de gases de efeito estufa. O gado emite gás metano, 23% mais prejudicial ao meio ambiente que o dióxido de carbono emitido pelos veículos automotivos

5) Doenças cardíacas e vasculares: Estudo realizado pela Universidade de Oxford descobriu que comer carne no máximo três vezes por semana pode prevenir no Reino Unido 31 mil mortes por doença cardíaca, 9 mil mortes por câncer e 5 mil mortes por acidentes vasculares cerebrais

6) Tendência Mundial: A campanha da Segunda Sem Carne foi idealizada em 2003 pelo publicitário Sid Lerner, em associação com a Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg, dos EUA. Em 2009 Paul McCartney apresentou ao Reino Unido a Segunda Sem Carne ou “Meat Free Mondays”, o que deu força para que a campanha, ao longo dos anos, atingisse outros 44 países incluindo França, Itália, Austrália, Canadá, Dinamarca e Alemanha. No Brasil a Segunda Sem Carne existe desde 2009 por meio do trabalho da Sociedade Vegetariana Brasileira

7) Exemplo de gestão: O prefeito de Nova York Bill de Blasio anunciou este ano o lançamento da Segunda Sem Carne em 15 escolas do Brooklyn onde serão servidos café da manhã e almoços exclusivamente vegetarianos todas as segundas para cerca de 8 mil alunos. “Nós entendemos que existe uma crise climática e uma crise de obesidade”, disse o prefeito. A Segunda Sem Carne já é praticada em cidades de 44 países incluindo EUA, França, Itália, Austrália, Canadá, Dinamarca e Alemanha

8) Exemplo em SP: Em 2015 a rede de restaurantes do governo paulista Bom Prato passou a fazer parte do movimento Segunda Sem Carne. “As refeições contribuirão para uma melhor saúde dos usuários do Bom Prato, já que as proteínas vegetais como soja, feijões e outros alimentos são vantajosas para evitar diabetes, hipertensão, obesidade e doenças cardiovasculares”, disse na ocasião Camila Campos, nutricionista da Secretaria de Desenvolvimento Social. Um dia a menos de carne, só na rede Bom Prato, significa cerca de seis toneladas a menos, o equivalente a 30 vacas adultas

Divulgação

9) Poluição do solo e da água: A produção industrial de carne é uma das maiores fontes de poluição do meio ambiente consumindo enorme volume de recursos naturais e energéticos, além de gerar bilhões de toneladas de resíduos tóxicos sólidos, líquidos e gasosos. A produção de 1kg de tomate consome cerca de 200 litros de água e de 1kg de alface, por volta de 230 litros. O consumo de água para a produção de carne é muito maior, pois, além da água diretamente ingerida pelo animal tem a usada na produção de alimentos e a água poluída no processo. É a chamada Pegada Hídrica da pecuária de corte. Um quilo de carne bovina ultrapassa os 15 mil litros de água, sendo que 93% dessa água está embutida na alimentação do gado, 4% é diretamente ingerida e 3% é poluída, principalmente pelos dejetos dos animais

10) O Ministério da Saúde indica vegetarianismo: O “Guia Alimentar” elaborado em prol da população brasileira, publicado em 2006 pelo Ministério da Saúde, faz um alerta sobre o consumo de carne: “No passado, acreditava-se que as crianças e também os adultos fisicamente ativos precisavam consumir alimentação com alto teor de proteína de origem animal. Hoje, sabe-se que não é assim. Uma alimentação rica em proteína animal contém altos teores de gorduras totais e de gorduras saturadas, portanto poderá não ser saudável”.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

CRIME AMBIENTAL

ABERRAÇÃO LEGISLATIVA

EXEMPLO

CICLOVIA RIO PINHEIROS

ESTRESSE

RESILIÊNCIA

BRECHAS LEGAIS


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>