Porcos são mortos em público em evento na Suíça


Após alguns milésimos de segundo, uma bala perfura o cérebro de um dos porcos e suas pernas ainda se contorcem. Depois, dois homens pegam o cadáver e um deles corta a artéria carótida. O sangue se espalha por uma chaleira branca e pequenas gotas mancham os aventais dos açougueiros e suas camisas.

Foto: Keystone / Christian Merz

Em uma manhã de sábado, a pequena aldeia de Sissach, no Norte da Suíça, vê dois porcos serem publicamente assassinados. A tradição começou no século 18, quando as famílias rurais suíças começaram a comprar dois ou três porcos na primavera, engordando-os durante o verão para matá-los em suas fazendas no outono. Depois, a carne era armazenada para o inverno.

Porém, essa prática já não tem espaço na sociedade moderna da Suíça, como mostra um protesto em Sissach. Quando a imprensa local anunciou os assassinatos públicos de Rolf Häring, que aconteceria em sua propriedade privada, os editoriais dos jornais locais rapidamente mostraram sua indignação.

As pessoas descreveram a ideia de Häring de doentia e afirmaram que ele estava se divertindo com a tradição e mataria para entreter o público. Häring recebeu uma carta ameaçadora que o comparou a um terrorista que assassina publicamente. A organização Swiss Animal Protectionexternal link também se envolveu e pediu formalmente que o governo acabe com o absurdo.

O sacerdote suíço Lukas Baumann, conhecido como o “padre dos coelhos”, porque criou um centro de resgate para coelhos vítimas de maus-tratos, também expressou sua opinião. De acordo com o Swiss Info, ele disse que os assassinatos públicos eram um evento degradante e cruel, que pertence ao século passado.

A indignação do público ocorreu em toda a Suíça, um país onde, de acordo com a organização vegetariana Swissvegexternal link, mais de 60 milhões de animais são mortos por ano – o que significa 17 mil animais por dia. Inúmeras toneladas de carne são importadas do exterior anualmente.

Foto: Keystone / Christian Merz

Em termos internacionais, a Suíça consome menos carne do que países como a Austrália, onde o consumo de carne per capita é de 120 kg. Porém, esse consumo aumentou de maneira significativa. De acordo com a revista “Beobachter”, ele duplicou nos últimos 50 anos e agora cada pessoa ingere em torno de 51 kg de carne por ano.

No dia dos assassinatos, slogans como “Matar animais para se divertir?” e “Animais de fazenda são explorados como uma propriedade” foram impressos em folhetos distribuídos perto da área onde ocorreram as mortes. Várias pessoas seguraram um banner preto com a mensagem: “Animais sentem; animais sofrem”. Velas acesas foram colocadas no chão com o slogan: “Acabem com a violência para o prazer”, escrito no pavimento.

Enquanto isso, a fumaça subia e um porco morto era cortado com uma faca e pendurado para retirar o sangue dos seus músculos. Häring explicou cada passo do horror para o público. Cerca de 100 pessoas, incluindo crianças, se reuniram para ouvir e ver o açougueiro matar os animais.

O resultado dos assassinatos públicos eventualmente acaba em nossos pratos. Assim como em épocas anteriores, as partes dos porcos são transformadas em pudim preto, assim como em salsichas que serão consumidas posteriormente.

Mas nem todos estão dispostos a aceitar essa barbaridade. Dois dias após as mortes, o ex-padre Lukas Baumann apareceu na cidade. “Admito que ao matar dois porcos  em público, a injustiça foi feita em nossa aldeia”, declarou.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

SEGUNDA CHANCE

INSPIRAÇÃO

DESCARTE IRRESPONSÁVEL

BOA AÇÃO

CHINA

HEROÍNA

FINAL FELIZ

PAUTA EMERGENCIAL


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>