Protetor dedica vida a cordeiros órfãos resgatados de fazendas


No início deste ano, voluntários da Melbourne Sheep Save, uma organização que resgata ovelhas em Victoria, na Austrália, salvaram Louis de uma fazenda local depois que sua mãe dando à luz seu irmão.

Foto: Kelly Dinham

“Decidimos que queríamos tratá-lo como um rei, já que seu primeiro dia de vida foi tão miserável”, afirma Young, um paramédico e salvador de animais, ao The Dodo.

Ele e sua noiva, Georgie Purcell, deram mamadeira a Louis para ajudá-lo a se tornar grande e forte. Durante o processo, eles se apaixonaram pelo cordeiro.

“Quando você passa o tempo com um cordeiro, eles ficam tão excitados em vê-lo e receber mamadeiras. Seus rabos se agitam cerca de um milhão de milhas por hora. Eles são realmente como cães domésticos, mas, infelizmente, as pessoas não os percebem dessa maneira”, observa.

Foto: Ward Young

Assim que Louis cresceu um pouco, ele começou a correr pela  área cultivada por Young e Purcell e que foi comprada no início deste ano.

“Ele é um garoto tão amável e amoroso. Quando vê o nosso carro descer a entrada, corre até o portão para nos encontrar. Realmente, os cordeiros amam a interação humana, mas, em grandes fazendas, raramente recebem isso. Estamos felizes por podermos lhe oferecer o amor que ele deseja”, acrescenta.

Young amava tanto Louis que ele e sua noiva decidiram aumentar sua família de cordeiros. “Vimos quantos cordeiros órfãos foram encontrados, então acreditamos que o correto é adotar mais”, conta.

Na Austrália – assim como em outras partes do mundo – os cordeiros suportam muitos problemas nas fazendas e muitos deles morrem antes de conseguirem crescer. Somente no país, estima-se que 15 milhões de cordeiros morrem 48 horas após o nascimento, frequentemente, porque são expostos ao clima frio.

Young e Purcell agora tutelam seis cordeiros em sua família – Louis, Henry, Lance, Grace, Jeremy e Ashton. Todos eles foram resgatados de fazendas.

Foto: Ward Young

“Ashton, que é nosso cordeiro mais recente, provavelmente está tendo mais espaço no coração no momento. Ele é tão amado e é muito vocal , murmura quando está entusiasmado como se tentasse dialogar com você”, completa.

O aumento da família de cordeiros possui desafios. Young e Purcell precisaram investir muito dinheiro em sua propriedade, construindo cercas e instalando calhas. Cuidar de recém-nascidos geralmente é um trabalho em tempo integral.

“Durante suas primeiras semanas de vida, pode ser de quatro a cinco mamadeiras por dia, o que pode dar muito trabalho. Porém, funciona bem comigo sendo trabalhando em turnos e minha noiva às vezes trabalha em casa, por isso, sempre há alguém”, diz Young.

Foto: Ward Young

Todos os cordeiros se dão bem (alguns deles agora são ovelhas), embora Louis e Lance tenham um vínculo particularmente forte. “Os meninos simplesmente amam a companhia uns dos outros, correm um com o outro, brincam e comem”, relata Young.

Além dos seis cordeiros, Young e Purcell também cuidsm de dois cavalos, Alfie e Dudley, e quatro gatos resgatados: Kitty, Alice, Clementine e Stanford. Mas são os cordeiros que particularmente comovem Young.

“Preencheu um buraco que não sabíamos que existia. Esses belos animais só possuem muito amor para oferecer e somos mais enriquecidos por tê-los. Não mudaríamos nada”, conclui.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

NOVOS LARES

RIO CLARO (SP)

EXTINÇÃO

VISIBILIDADE

CANADÁ

ABRAÇO ANIMAL

DENÚNCIA

JAPÃO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>