CONTEÚDO ANDA

Raposas e visons praticam canibalismo para tentar sobreviver em fazenda de pele

Fotos chocantes revelam as terríveis condições dentro de uma fazenda de pele russa apelidada de "Auschwitz para os animais", onde visons e raposas famintos têm recorrido ao canibalismo para sobreviver

Vison faminto implora por comida
Vison faminto implora por comida/Foto: Reprodução, Daily Mail

Cerca de 2500 visons morreram devido à “fome e à mal nutrição” na fazenda de Pryazhinskoye, na Karelia, no Norte do país, uma região favorecida por Vladimir Putin durante as férias de verão, segundo a equipe que trabalha na área.

Vison faminto implora por comida
Vison faminto implora por comida/Foto: Reprodução, Daily Mail

Os visons e as raposas são criados e mortos para a produção de chapéus e casacos de inverno, mas, com a crise de financeira, eles recebem apenas uma fração dos alimentos de que necessitam para sobreviver.

Desde 1º de Outubro, em torno de 2500 visons faleceram. Alguns registros dizem que 1500 morreram em três dias e que há casos de sobreviventes que comiam os cadáveres.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Os 10 mil visons e 2700 raposas restantes devem ser assassinados em Novembro. Porém, agora suas condições são consideradas muito precárias para a produção de peles de boa qualidade e não está claro o que ocorrerá na fazenda.

“Os visons vivem em pares aqui. Se um deles morrer, o outro o come. As raposas também estão comendo as outras”, disse um funcionário da propriedade.

Cerca de 100 funcionários se demitiram porque seus salários não foram pagos. Imagens perturbadoras mostram visons muito magros, assim como pilhas de cadáveres, o que fez o local ser chamado de “Auschwitz para animais” nas mídias sociais, revela o Daily Mail.

Raposa desnutrida
Foto: Reprodução, Daily Mail

Raposas enlouquecidas e que enfrentam um enorme sofrimento saltam repetidamente em suas minúsculas gaiolas. Os promotores locais ordenaram que veterinários inspecionem a fazenda, que é registrada como uma propriedade pertencente principalmente ao empresário estônio Aivo Hallist.

De acordo com a imprensa russa, Hallist disse que só soube sobre a crise crescente na semana anterior. No dia 28 de Setembro, foi informado que ele se comprometeu a pagar os funcionários nas duas semanas seguintes. A equipe diz isso não ocorreu e muitos desistiram desde então.

O ministro regional da agricultura, Vladimir Labinov, compareceu ao local depois que histórias chocantes foram divulgadas pelos meios de comunicação russos. Os registros de alimentação mostrados a ele evidenciaram que, em quatro dos 12 dias, os animais não foram alimentados. Nos outros dias, eles receberam pequenas rações.

Cadáver de animal em fazenda
Foto: Reprodução, Daily Mail

Ainda que as raposas mortas pela indústria da pele devam ser alimentadas com 500 gramas por dia segundo os padrões russos, os animais receberam 56 gramas por refeição.

Labinov confessou que os animais “não estão recebendo alimento suficiente”, mas, em seguida, alegou que “estão em condições satisfatórias”.

Ele negou ter visto quaisquer casos de canibalismo e argumentou que muitas mortes ocorreram devido à falta de vacinas na fazenda desde Maio. Amostras dos animais mortos foram enviadas para serem testadas para doenças animais graves, incluindo o botulismo e a doença de Aleutian que afetam os visons.