Audiência discute exploração de cavalos em charretes nas cidades de MG


Um audiência conjunta das Comissões Extraordinária de Proteção dos Animais e de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) foi realizada para discutir o uso de charretes em cidades históricas.

Os críticos à utilização dos veículos de tração animal afirmam ser inconcebível que a tradição histórico-cultural sirva de justificativa para maus-tratos aos animais. Segundo eles, a substituição dos cavalos por veículos motorizados trariam apenas benefícios às famílias que ganham a vida com o turismo na região.

Charretes exploram cavalos obrigando-os a trabalhar de forma forçada (Foto: Divulgação)

O deputado Noraldino Júnior (PSC), entusiasta da causa e que solicitou a audiência, inclusive sugeriu à Prefeitura de Tiradentes a adoção de um projeto-piloto no município. A ideia é substituir, gradativamente, os animais por quadriciclos. Os veículos disponibilizados para que a iniciativa seja testada seriam custeados com emendas parlamentares de sua autoria.

Noraldino Júnior contou ter presenciado, em visitas à cidade, agressões a cavalos, que também sofreriam com a sobrecarga de peso – às vezes, famílias inteiras seriam transportadas pelas charretes.

Outro ponto abordado pelo parlamentar é o destino desses cavalos, comumente abandonados ou vendidos para matadouros clandestinos quando não possuem mais condições físicas para o trabalho.

Deputados como Ivair Nogueira (PMDB) e Fabiano Tolentino (PSB) defenderam a utilização das charretes. Ivair afirmou que eventuais desvios, como o tratamento inadequado dos animais, devem ser combatidos com ações de conscientização e fiscalização.

O vice-prefeito de Tiradentes, Luiz Carlos Barbosa, também favorável às charretes, informou que a administração municipal contratou um veterinário para prestar assistência aos charreteiros e está providenciando um espaço onde possam ser instaladas baias. A ideia é que os cavalos possam descansar e se alimentar no local no intervalo dos passeios. A proposta, entretanto, lamentavelmente não coloca fim à exploração dos cavalos, já que trabalha com a ideia de mantê-los no trabalho forçado.

MAUS-TRATOS – Membro do Núcleo de Assistência à Saúde Veterinária da Polícia Militar, Bárbara Goloubeff relatou não ser incomum encontrar animais desnutridos, doentes e exaustos sendo obrigados a carregar peso.

Em relação à tradição dos passeios de charretes nas cidades históricas, ela lembrou que lutas mortais entre gladiadores e outras práticas hoje consideradas absurdas já foram parte importante da cultura de muitas sociedades. “Em Paquetá (RJ), há veículos movidos à energia solar estilizados para parecem charretes”, citou, como um exemplo que pode ser seguido.

Ativista alega ter sido agredida por charreteiros

A audiência também foi convocada para que fosse discutida a agressão sofrida pela protetora dos animais Luanda Conrado. Um mal-entendido estaria por trás do incidente: Luanda participou, na companhia do deputado Noraldino Júnior, de uma reunião na Prefeitura de Tiradentes sobre a castração gratuita de animais abandonados. Os charreteiros, no entanto, acreditavam ser ela a responsável por levantar a questão da proibição dos passeios de charrete no município, iniciativa encampada pelo parlamentar.

Luanda afirma que ela e seu marido foram encurralados na rua e agredidos. Ela mostrou vídeos do incidente e áudios de charreteiros se vangloriando por tê-los repreendido de maneira agressiva.

Todos os participantes da audiência destacaram a gravidade do fato e condenaram as agressões. “Já fizeram o mesmo com jornalistas, donos de pousadas e outros ativistas. Não tive o apoio de nenhuma autoridade da cidade”, relatou Luanda. “Já que me colocaram no meio dessa questão das charretes, me prontifico a defender os cavalos de abusos”, acrescentou.

Nota da Redação: solicitar medidas de conscientização e aumentar a fiscalização não são ações suficientes quando se trata da exploração de cavalos obrigados a puxar charretes. Cavalos, assim como qualquer outro animal, devem ser vistos como sujeitos de direito e, como tais, precisam ter a garantia de não serem colocados para trabalhar de forma forçada, sem que recebam nada em troca, além de exploração. 

Cavalos não podem ser obrigados a puxar charretes para benefício humano, já que todo animal existe para viver de acordo com seus propósitos, instintos e vontades, e não para servir às pessoas. O lugar do cavalo é na natureza, livre para realizar as atividades que ele mesmo decide fazer e não preso a uma charrete, sendo obrigado a obedecer às ordens dos seres humanos.

As informações são do portal da Assembléia Legislativa de Minas Gerais.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

CALIFÓRNIA

ANGÚSTIA

COMPANHIA

VIOLÊNCIA INJUSTIFICADA

ASSASSINATO BRUTAL

EXEMPLO

AGROPECUÁRIA

POVOS ORIGINÁRIOS

FINAL FELIZ


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>