Cachorros fazem expressões faciais para se comunicarem com humanos


Os olhinhos pidões e a língua para fora do seu cachorro podem ser mais que um pedido de carinho. Uma pesquisa mostrou que, na realidade, os cães mudam de expressão facial para se comunicarem com os humanos.

De acordo com a pesquisa, os cães produzem movimentos faciais para se comunicarem com humanos (Foto: Pixabay)

Os cientistas descobriram que os cães produzem mais movimentos faciais quando um humano está prestando atenção neles — incluindo levantar as sobrancelhas, fazendo com que seus olhos pareçam maiores — do que quando estão sendo ignorados ou observando comida.

A pesquisa vai de encontro à crença de que esses são movimentos em grande parte inconscientes, que refletem sentimentos internos, em vez de uma forma de se comunicar. “A expressão facial é muitas vezes vista como algo emocionalmente orientado e fixo, e não algo que os animais podem mudar de acordo com suas circunstâncias”, afirma Bridget Waller, professora de psicologia evolutiva da Universidade de Portsmouth, ao The Guardian.

Segundo Brian Hare, professor e diretor do centro de cognição canina da Universidade Duke, os seres humanos evoluíram para terem maior sensibilidade ao contato visual e às diferentes “caras e bocas”. O que torna a adaptação dos cães totalmente compreensível, ainda mais levando em consideração que eles convivem com os humanos há 30 mil anos: “durante esse tempo, as pressões de seleção parecem ter atuado na habilidade dos cães de se comunicarem com a gente”, conta Juliane Kaminski, que também trabalhou no estudo, em comunicado.

A equipe de pesquisa britânica também fez experiências com petiscos, para tentar entender se a mudança de expressão se dava por conta da pessoa ou do alimento. O resultado? A comida quase não fez diferença.

Mas isso não significa que eles não gostam de pegar um pouquinho do que você está comendo quando ninguém está prestando atenção. Um outro estudo de Kaminski provou que cachorros conseguem perceber quando a pessoa está prestando atenção — e usa os momentos de distração para pegar sua comida.

“Acho que esse [estudo recente] adiciona mais evidências ao fato de que cães são sensíveis a nossa atenção. O que não é necessariamente uma surpresa para que tem um cachorro”, brinca a especialista.

Fonte: Revista Galileu


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

CONSERVAÇÃO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS

MAUS-TRATOS

HABITATS DESTRUÍDOS

OMISSÃO

ECONOMIA CIRCULAR

DEDICAÇÃO

TECONOLOGIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>