MISSÃO

Voluntários falam sobre amor pelos animais

Associação Amigos do Chico se destaca em Araranguá com dedicação e auxílio a animais.

453

24/09/2017 às 17:00
Por Redação

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Divulgação

“A compaixão pelos animais está intimamente ligada a bondade de caráter”. Demonstrando muito amor, compaixão, dedicação aos animais, a Associação Amigos do Chico está se destacando na Cidade das Avenidas (SC).

O nome da associação surgiu por causa de um cachorrinho de uma das voluntárias. Ele foi resgatado quando filhote, acabou sofrendo maus-tratos por uma pessoa e veio a óbito. Em homenagem a memória do cachorrinho, que trouxe muita alegria para a família, deram o nome para a associação.

Divulgação

De acordo com a voluntária Carla Regina Scarabelot Gonçalves, o objetivo da associação é amparar animais em situação vulnerável. “Nós tínhamos um grupo de amigas e nos aproximamos justamente em razão da causa animal. Este é o grupo gestor da associação. Temos uma diretoria, somos regulamentados, mas embora tenha a diretoria, ninguém manda mais. Todos somos participativos e unidos pela causa animal”, destaca.

A voluntária Maria Helena Périco da Silva (Lena Périco), explica que elas já participávamos de outra associação. “Acabamos saindo, fizemos trabalhos sozinhas e nos unimos novamente. Reativamos em janeiro deste ano a Associação Amigos do Chico, porque ela já existia, a razão social dela é Instituto Unidos Araranguá Mais Forte, mas usamos o nome fantasia Associação Amigos do Chico, em lembrança a cada amigo animal que nós tivemos e que marcou nossas vidas”, relata.

A associação não tem nenhum vínculo com setor público. “Somos voluntários, fizemos por amor. Não somos profissionais da área veterinária, não é nossa obrigação tratar os animais. Não temos sede também, porque se não, a situação foge do controle, as pessoas simplesmente depositam os animais nestes locais. Se tivéssemos vínculo com setor público, nos tornariam reféns de uma cidade que não tem consciência. Nosso trabalho é diferente. Nós conscientizamos as pessoas, resgatamos os animais, participamos de mutirões, de feiras em prol dos animais”, explica Carla.

Lena reforça concordando que o trabalho não tem nenhuma pretensão financeira. “Nosso trabalho é fazer campanhas, conscientizar, ajudar animais que sofreram maus tratos, conseguir castração para os que precisam. A FAMA (Fundação Ambiental do Município de Araranguá) está fazendo um trabalho bem legal, de castração dos animais, recebendo denúncias de maus tratos e cuidando. Recorremos a eles também quando precisamos”, afirma.

Jantar dançante

As voluntárias explicam que os gastos com remédios, tratamentos, castrações, são conseguidos através de eventos e doações. “Dia 28 de outubro faremos um jantar dançante no CTG. Ganhamos os galetos e o dinheiro arrecadado será revertido para castração dos animais. Os ingressos serão vendidos na nossa página do Facebook e na Casa do Agricultor”, lembra Lena.

Divulgação

Carla ressalta que são realizadas também feiras de adoção. “Todo primeiro sábado domês no Center Shopping realizamos as feiras, temos parceria com a Casa do Agricultor, com alguns veterinários que fazem um valor diferenciado tanto para as castrações quanto para atendimentos. Quem tem interesse em adotar, nossa página no Facebook e as feiras de adoção são os principais meios”.

A Associação Amigos do Chico conta hoje com aproximadamente 10 voluntários diretos. “O que precisamos muito é de pessoas que acolham os animais em lares temporários. Quando as pessoas adotam, fizemos um trabalho para ver quem é a pessoa que vai adotar, entrevistamos, vimos se ela pode ficar com o animal, porque não adianta adotar um filhote para deixá-lo preso a uma corrente. Nós fizemos algumas visitas surpresas depois, para ver a situação do animal e se não tiver bem cuidado, trazemos de volta para encontrar uma adoção responsável. Nós resgatamos os animais na rua, bancamos o tratamento e precisamos de lares temporários até que se consiga doar, esta é nossa dificuldade, por isso nossas casas estão cheias”.

Divulgação

Carla, por exemplo, está com 40 cachorros. “Tenho 10 na minha casa, na empresa do meu marido fizemos um canil, pagamos uma funcionária, do nosso bolso, não é dinheiro da associação. Tem animais que estão há três anos lá. São seres que precisam de atenção, cuidado, dedicação, amor. Nós trabalhamos a conscientização em razão da superpopulação que existe, não só em Araranguá, mas este é um problema nacional”, destaca.

Já a casa de Lena abriga vários gatos. “Nós nos apegamos muito a esses bichinhos, eles fazem parte da família e só faltam falar. Todo nosso empenho e dedicação é porque temos muito amor por eles. Queremos fazer a diferença e ajudar estes animais que tanto precisam”, finaliza.

Para entrar em contato com a associação, a página no Facebook.

Fonte: Revista W3

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.