Camarões explorados em fazendas têm os olhos mutilados para acelerar a reprodução


 

Exploração de camarões
Foto: Wet Tropics Healthy Waterways Partnership

A Animals Australia fez um apelo para que a Australian Prawn Farmers Association acabe com a prática extremamente cruel.

Um camarão fêmea possui uma glândula hormonal atrás do olho que regula a reprodução, permitindo que ele se reproduza em ambientes adequados.

As condições estressantes e a lotação das fazendas podem fazer com que os animais relutem em se reproduzir. Ao cortar uma das partes do olho, os fazendeiros destroem a glândula, forçando-a a ter uma rápida maturidade sexual.

“A ciência mostra a dor e o trauma experimentados pelos camarões submetidos a este procedimento horrível, mas que ocorre na maioria das incubadoras de camarão do mundo e, geralmente, sem qualquer alívio efetivo da dor”, declarou Lisa Chalk, diretora de campanhas da Animals Australia.

“Se eles consomem camarão ou não, o australiano médio ficará chocado ao ouvir que um procedimento tão terrível existe e que é uma prática rotineira e legalizada da indústria”, completou.

A ablação ocular foi usada pela primeira vez em fazendas de camarões na década de 1970. Desde então, as pesquisas descobriram que, dentro do ambiente apropriado, os camarões fêmeas se reproduzem sem serem submetidos a esse procedimento doloroso.

Um dos maiores produtores de camarão do mundo, Seajoy, encerrou a prática.

“Cortar os olhos de um animal sempre foi considerado um meio aceitável de aumentar os lucros e é mais um   exemplo chocante de uma indústria enxerga seres vivos e sencientes como nada mais do que unidades de produção”, disse Chalk.

“Seja cortar o rabo dos leitões, os bicos sensíveis das galinhas ou os olhos dos camarões, estamos novamente observando as terríveis consequências da produção industrial na Austrália e a falta de proteção legal para os animais criados”, acrescentou.

A organização escreveu para a Australian Prawn Farmers Association  e as principais empresas de criação de camarão instando-os a parar de perpetuar essa crueldade. O assunto também foi debatido com os principais varejistas australianos, informou a Animals Australia em seu site.

Cerca de 100 milhões de camarões são mortos em fazendas australianas anualmente, sendo que 95% desses locais estão em Queensland, com uma fazenda em Nova Gales do Sul.

Cortar e espremer um olho de camarão é a maneira mais comum de realizar a ablação, embora existam outros métodos, incluindo a cauterização (um par de pinças aquecidas é colocado no olho) e a ligadura (amarração de um fio ao redor do olho fazendo com que ele caia após alguns dias).


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

DOÇURA

EXTINÇÃO

SONHO REALIZADO

CARIBE

POLÍTICA AMBIENTAL

SÃO PAULO

AÇÃO HUMANA

TRAGÉDIA

MASSACRE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>