‘Caçadores gritaram: vamos matar’, diz vigia sobrevivente de confronto na Serra da Capivara (PI)


O vigia Vilson, único sobrevivente sem ferimentos do confronto que aconteceu na sexta-feira (18) entre caçadores e guardas no Parque Nacional Serra da Capivara, em São Raimundo Nonato, no Piauí, contou pela primeira vez como tudo aconteceu. Dois de seus companheiros foram baleados e um morreu.

“Estávamos andando no parque, quando o meu companheiro avistou um caçador atrás das pedras, com a espingarda apontada para nós. Dois dos guardas foram por outro lado e conseguiram tomar a arma e o facão dele, e o algemaram. Depois tentaram negociar com o outro caçador, que estava bastante alterado, então apareceram mais dois homens com a camisa amarrada no rosto e gritando: vamos matar eles”, lembrou.

Vilson foi o único sobrevivente sem ferimentos (Foto: Reprodução/TV Clube)

O guarda Edilson Aparecido da Costa Silva morreu na hora. Vilson conta que ouviu o tiro que vitimou seu companheiro e, desesperado, conseguiu fugir dos caçadores. Ele acionou a polícia, além dos funcionários do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Os guardas, que desde março trabalham sem armas e coletes à prova de bala – por determinação do ICMBio – relatam que se depararam com quatro caçadores armados com espingardas e que apenas um deles portava um revólver calibre 38. No entanto, os vigias afirmam que dois guardas tinham revólveres e conseguiram acertar dois dos caçadores. Além da retirada de armas e coletes, o IMCBio fez uma reformulação de cargos e redução de salários.

Os quatro caçadores fugiram, porém dois deles foram localizados feridos e levados ao Hospital Regional Tibério Nunes, na cidade de Floriano. Na busca por vestígios, policiais militares encontraram três armadilhas em uma trilha, sendo que em umas delas havia um tatu morto. “Este tipo de crime é muito comum na região. Os caçadores costumam vir para área, como tem muito tatu eles colocam essas armadilhas”, declarou o guarda do parque Flávio Rocha.

Parque ameaçado

A presidente da Fundação do Museu do Homem Américo (Fumdham), Niède Guidon, demonstrou preocupação com tamanha violência e com a falta de segurança dos guardas. Segundo ela, os caçadores moram nos assentamentos próximos ao local.

“Agora na situação atual do país precisaria que eles [os guardas] estivessem armados e protegidos, porque é realmente uma coisa terrível isso que aconteceu. O parque é muito grande e atualmente foram feitos muitos assentamentos ao lado do parque e tem muita gente morando ali, pessoas que justamente vão caçar. Então precisaria existir um número maior no sistema de grupos e armados, porque da maneira que está é perigoso”, afirmou Niéde.

Os servidores do IMCBio regional estão abalados e comovidos com o caso, de acordo com a coordenadora do órgão, Ana Célia Coelho. Ela esteve na Serra da Capivara para prestar assistência aos vigias e às famílias.

“Nós sabemos que são pessoas que se doam para o parque, tanto a ponto de arriscar a própria vida. Nós estamos empenhados em rever o sistema de segurança aqui do parque”, acrescentou.

Velório

O velório do vigia Edilson Aparecido da Costa Silva, de 49 anos, foi realizado em São Raimundo Nonato no domingo (20). Ele trabalhava no parque há 13 anos. As informações são do portal G1.

A esposa do vigia, que deixa sete filhos, lamentou a morte de Edilson. “Ele era o alicerce da minha família. Meu marido saiu para trabalhar e voltou sem vida, porque a área que ele trabalha é de risco e isso poderia acontecer a qualquer momento”, declarou.

O irmão da vítima, José Wilson da Costa, lembrou que o vigia defendia o parque por amor, mas questionou a ausência de proteção no local. “Meu irmão estava sem proteção nenhuma, só com uma camisa para se defender de tiros, porque ele deveria trabalhar protegido, com colete”, lamentou.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

NOVOS LARES

RIO CLARO (SP)

EXTINÇÃO

VISIBILIDADE

CANADÁ

ABRAÇO ANIMAL

DENÚNCIA

JAPÃO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>