Morte de aves marinhas em diferentes partes do mundo preocupa especialistas


Carl Safina e sua esposa estavam caminhando em uma praia em Long Island, Nova York, Estados Unidos, quando avistaram uma pardela-de-bico-preto, uma grande ave que vive próxima ao mar e voa por milhares de quilômetros pela costa do Atlântico todos os anos.

“Eu não cheguei muito longe quando encontrei a primeira pardela-de-bico-preto morta”, contou Safina, ecologista e criador do Safina Center, uma organização que busca proteger os oceanos e os animais marinhos, ao The Dodo.

Aves marinhas mortas na areia da praia
Pardelas-de-bico-preto mortas encontradas em Long Island (Foto: Patricia Paladines)

“Então eu andei cerca de meia milha e pude ver o próximo imediatamente. Um pouco depois, outro, e depois outro”, disse. “Eu realmente gosto desses pássaros, e eu gosto de vê-los no oceano nesta época do ano. Obviamente, algo muito ruim aconteceu com eles, e isso é muito triste”, lamentou.

Mas infelizmente, este não se trata de um caso isolado. Mais tarde, Safina encontrou outras pardelas-de-bico-preto mortas em outras praias de Nova York. Outras pessoas também relataram terem encontrados aves desta espécie mortas pelo litoral dos Estados Unidos.

Aves marinhas mortas na areia da praia
Diversas pardelas-de-bico-preto foram encontradas no litoral dos Estados Unidos (Foto: Patricia Paladines)

E ao que tudo indica, o motivo dessas mortes é a falta de comida para esses animais. “Os pássaros estão extremamente magros e anêmicos”, contou Joe Okoniewski, um estudioso da vida selvagem do Departamento de Conservação do Estado de Nova York, ao The New York Times. Após analisar algumas das aves encontradas mortas, Okoniewski disse: “O grande mistério é: por que eles estão magros? Na superfície parece que você sabe o que aconteceu: Eles morreram de fome. Mas quando você pergunta por que, torna-se ainda mais um mistério”.

Aves marinhas mortas na areia da praia
Aparição massiva dessas aves marinhas mortas têm preocupado pesquisadores (Foto: Patricia Paladines)

Já a ecologista de aves marinhas Jennifer Lavers, também pesquisadora do Instituto de Estudos Marítimos e Antárticos, viu anteriormente este tipo de morte em aves na Austrália e ela acreditasse que sabe qual foi a causa.

“Quando essas mortes acontecem na Austrália, elas costumam acontecer em outubro e novembro. Os pássaros acabaram de completar uma migração de 8 mil a 12 mil quilômetros do mar de Bering de volta para a Austrália. Quando eles fazem essa migração, eles voam sem parar por cerca de duas semanas, e eles não param para se alimentar. Então, você pode imaginar que, se você for uma pardela-de-bico-preto, e você voou 10 mil quilômetros, você vai estar com muita fome. Então você tem que encontrar comida rapidamente”, explicou Lavers ao The Dodo.

Aves marinhas mortas na areia da praia
Pardelas-de-bico-preto encontradas mortas na costa de Newscastle, na Austrália (Foto: Jenn Lavers)

Todavia, nos últimos anos, essas aves não têm conseguido encontrar a comida que eles precisam para sobreviver. “Essa falta de presas pode acontecer por uma variedade de razões. Pode ser por causa das mudanças climáticas, de modo que a presa pode ser tão abundante quanto sempre, mas é simplesmente movida para outro lugar. Ou nós a pescamos demais [a presa]”, disse.

E embora Lavers não tenha conseguido analisar as pardelas-de-bico-preto encontradas mortas em Nova York, ela acredita que tenha acontecido o mesmo que na Austrália.

Aves marinhas mortas na areia da praia
Para pesquisadora, aves marinhas morrem por conta da falta de alimento após migração (Foto: Jenn Lavers)

“Eu acho que os pássaros voltaram de suas migrações, eles tentaram encontrar presas para reabastecer suas reservas, eles falharam por uma razão ou outra, e então estão morrendo nas praias”, afirmou. “Essas aves estão basicamente dizendo-nos que as coisas não estão bem – não apenas em uma parte do oceano, mas em muitas partes do mundo”, analisou.

 

 


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

FINAL FELIZ

MIGRAÇÃO

EXPLORAÇÃO

APELO

LUTO

FLORIANÓPOLIS (SC)

SÃO PAULO

INOVAÇÃO

AMOR

ESTUDO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>